Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8665
Título: Análise histoquímica e morfométrica do estroma e das glândulas endometrias de ratas tratatas com dexametasona
Autor(es): Paula Castor Batista, Ana
Palavras-chave: Histoquímica;Morfometria;Endometriose;Ratas Wistar;Dexametasona
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Paula Castor Batista, Ana; Lys Medeiros, Paloma. Análise histoquímica e morfométrica do estroma e das glândulas endometrias de ratas tratatas com dexametasona. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Patologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Durante a menstruação pode ocorrer a passagem, através das tubas uterinas, de material endometrial viável, com capacidade de implantação o que, conseqüentemente, originaria um quadro clínico denominado de endometriose. Estudos têm demonstrado que dentre os glicocorticóides, a dexametasona é capaz de inibir o crescimento de uma forma geral e seus efeitos podem ser observados nas funções reprodutivas, por bloquear várias respostas induzidas pelos estrogênios no útero de ratas. Portanto, a presente pesquisa teve por objetivo analisar histomorfometricamente os sítios de implantes endometriais sobre a região externa da musculatura da parede abdominal anterior de ratas tratadas com dexametasona (0,8 mg/Kg/dia). Para tanto, foram utilizadas 40 ratas albinas (Rattus norvegicus albinus), da linhagem Wistar com 90 dias de idade, pesando aproximadamente 150g, as quais foram submetidas à indução da endometriose (implante cirúrgico), através da técnica preconizada por Vernon e Wilson (1985) e divididas nos seguintes grupos: Grupo I - ratas induzidas a endometriose e avaliadas após 34 dias (controle I); Grupo II - ratas induzidas a endometriose e avaliadas após 47 dias (controle II); Grupo III - ratas induzidas a endometriose e após 21 dias do pós-operatório, os animais foram tratados com dexametasona por 13 dias e eutanasiados no dia seguinte ao término do tratamento; Grupo IV - ratas induzidas a endometriose e após 21 dias do pós-operatório, os animais foram tratados com dexametasona por 13 dias e eutanasiados após um período de 13 dias contados a partir do término do tratamento com dexametasona. Nossos resultados mostraram que a dexametasona administrada aos grupos III e IV foi capaz de promover redução do processo inflamatório em ratas com endometriose induzida e também do teor de colágeno estromal; além do que, propiciou considerável diminuição nas áreas ocupadas pelas glândulas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8665
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Patologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4250_1.pdf1,63 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.