Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8642
Title: Cefaléia do tipo tensional crônica: tratamento alternativo com neuroestimulação elétrica transcultânea
Authors: SAMPAIO, Maria da Conceição Filgueiras
Keywords: Neuroestimulação elétrica transcutanea
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: da Conceição Filgueiras Sampaio, Maria; Farias da Silva, Wilson. Cefaléia do tipo tensional crônica: tratamento alternativo com neuroestimulação elétrica transcultânea. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: Introdução: A cefaléia do tipo tensional crônica é uma dor cefálica presente 􀁴 15 dias/mês (180 dias/ano) por 􀁴 seis meses, apresentando epidemiologia, fisiopatogenia, tratamento e aspectos clínicos pouco estudados. A neuro estimulação elétrica transcutânea (TENS) procedimento fisioterápico preconizado no tratamento da dor por emissão de estímulos elétricos com corrente de baixa freqüência e intensidade foi utilizada como tratamento alternativo. Objetivo: Estudar a eficácia da TENS como tratamento alternativo da cefaléia do tipo tensional crônica. Metodologia: Foram selecionados 32 pacientes que preenchiam os critérios diagnóstico para cefaléia do tipo tensional crônica emitidos pela Sociedade Internacional de Cefaléia. Os pacientes compareciam para a primeira consulta trazendo o diário que havia preenchido, por 30 dias, quando eram computados o número de dias com dor e quantificação da dor durante aquele mês de observação. A quantificação da dor era representada por um número obtido da soma das parcelas: (N􀁱 dias com dor muito forte x quatro) + (N􀁱 dias com dor forte x três) + (N􀁱 dias com dores moderada x dois) + (N􀁱 dias com dor fraca x um). Dez pacientes não retornaram com os diários devidamente preenchidos após a consulta inicial, dois assinaram o termo de livre consentimento para o início do tratamento mas não voltaram, quatro começaram as aplicações da TENS e deles dois abandonaram, uma jovem mulher estava grávida e foi excluída e uma última foi afastada por perda da credibilidade, pois queria compensação financeira. Apenas 14 pacientes, três do gênero masculino e 11 do feminino com idade variável entre 20 e 81 anos concluíram o estudo. Quanto as idades de início, quatro (28,57%) tinham queixas iniciando antes dos dez anos, um (7,14%) entre os 11 e 20 anos, cinco (35,71%) entre os 21-30 anos e quatro(28,57%) entre 41-50 anos. Os tempos de doença variaram entre pouco mais de seis meses e 42 anos. As dores eram predominantemente holocranianas, em 12 deles, sendo que em três podiam ser, também, unilateral e em dois eram occiptonucal bilateral. A dor tinha caráter de aperto/ pressão nos 14, porém três referiam, também dor em ardência. Seis pacientes relatavam piora na intensidade da cefaléia em seqüência à problemática emocional. Fono ou fotofobia ocasionais eram relatadas por um enquanto que três outros, também de maneira esporádica, apresentavam náuseas sem vômitos, os sintomas acima reportados manifestando-se apenas quando a dor assumia maior intensidade. Insônia e distúrbio do humor e da ansiedade, isolados ou associados eram mencionados por dez dos pacientes. Duas das estudadas tinham, concomitantemente, crises de migrânea sem aura, um caso e migrânea crônica, um outro. Os examinados eram revistos há intervalos de 15 dias e ao fim de 30 dias tiveram computados os dias com dor e os escores da dor os quais foram comparados com os números obtidos quando da avaliação após os 30 dias iniciais de observação. Resultados:Ao fim dos 30 dias, isto é, após as 12 sessões estabelecidas como meta, apenas três obtiveram resultados, satisfatórios em dois (melhora de 83,64% no número de dias com dor e em igual percentual no escore da dor; redução de 70% dos dias com dor e de 77,56% no escore da dor) e pouco significativo (redução de 41,18% nos dias com dor e de 43,34% no escore da dor) em um outro. Conclusão: Conclui-se que a neuro estimulação elétrica trancutânea se mostrou de pouca valia como tratamento alternativo da cefaléia do tipo tensional crônica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8642
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Neuropsiquiatria e Ciência do Comportamento

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8639_1.pdf952.71 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.