Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8606
Title: Hidrologia e hidrodinâmica do baixo estuário do rio Ipojuca, PE
Authors: LINS, Pedro Augusto Macedo
Keywords: Estuário;Batimetria
Issue Date: 2002
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Augusto Macedo Lins, Pedro; Medeiros Limongi, Carmen. Hidrologia e hidrodinâmica do baixo estuário do rio Ipojuca, PE. 2002. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2002.
Abstract: O baixo estuário do rio Ipojuca está localizado entre os paralelos 8°15 00 S e 8°30 00 S e meridianos 34°55 00 W e 35º05 00 , cerca de 40 km ao sul da cidade do Recife. O clima na região é tropical quente-úmido, classificado como As na escala de Köppen. Com a construção do porto de Suape, a partir da década de 70, o sistema estuarino do rio Ipojuca, sofreu várias modificações, sendo a maior delas, o fechamento da comunicação com a Baía de Suape e, quase total, com o Atlântico, o que ocasionou modificações das características físico-químicas e batimétricas na área. O presente estudo visou conhecer o padrão atual da distribuição das características fisico-químicas das águas do baixo Ipojuca e sua variabilidade espaço-temporal, bem como os processos hidrodinâmicos que regem o funcionamento do sistema e a distribuição de materiais e organismos no sistema. Levantamentos de campo foram realizados nos meses de junho e julho/2000 (período chuvoso), e janeiro e fevereiro/2001 (período seco) e incluíram a realização de perfis batimétricos, medidas sistemáticas de parâmetros oceanográficos como salinidade, temperatura, retroespalhamento ótico e correntes, em seis pontos do baixo estuário. Registros de marés para dois pontos do sistema e dados climatológicos (temperatura do ar, precipitação pluviométrica e direção e intensidade de ventos) foram também obtidos. A temperatura média anual do ar na região é de 27.7 ºC, com máxima de 30.0 ºC e mínima de 25.5 ºC, correspondendo a uma variação de 4.6 ºC. Prevalecem na área, ventos alísios de SE com velocidade média de 3.8 m.s-1. Ventos mais fortes ocorrem durante o período chuvoso com intensidade média de 4.3 m.s-1. A precipitação média anual é de 168,2 mm, com os maiores índices acontecendo em junho e julho com médias de 324.9 mm e 343.6 mm respectivamente, e os menores índices pluviométricos ocorrendo nos meses de outubro e novembro, com médias de 61.3 mm e 42.5 mm, respectivamente. De acordo com o critério de classificação de Hansen e Rattray (1966), o baixo estuário do Rio Ipojuca é um estuário tipo bem misturado. O sistema é bastante raso, com profundidade média de 1m, apresentando um extenso banco arenoso em sua região central que fica emerso nas baixa-mares. A distribuição horizontal da salinidade variou do regime limnético (0,5) a euhalino (36), com flutuações predominantemente semidiurnas, sendo a advecção da maré, o principal mecanismo de transporte longitudinal de sal. Temperaturas no baixo estuário do rio Ipojuca, mostraram-se altas e relativamente homogêneas ao longo do sistema e estável ao longo do ciclo de maré com as menores temperaturas sendo registradas no inverno, em resposta às condições climáticas naturais, com valores oscilando entre 24 ºC e 30 ºC, com média de 28 ºC. Durante o verão, temperaturas são mais elevadas (média=30 ºC), em resposta a combinação da redução da lâmina d`água e ao aumento da incidência da radiação solar. A capacidade de retroespalhamento ótico (OBS) é relativamente baixa, com valores geralmente inferiores a 100 unidades. Os valores médios de OBS foram mais elevados durante o período chuvoso, quando o carreamento de material para o sistema pelos rios Ipojuca e Merepe aumenta em respostas aos maiores volumes de precipitação. No baixo Ipojuca, as correntes mais intensas foram observadas durante estágios de baixa-mar e enchente, próximo à Barra Nova e na confluência dos rios Ipojuca e Merepe, atingindo velocidades de 66 cm.s-1. A direção preferencial das correntes é Oeste-Leste, seguindo o eixo principal do estuário. O transporte líquido apresentou balanço positivo, com o estuário atuando como exportador, durante todos os períodos e estágios analisados. As marés no estuário são semi-diurnas mas apresentam-se bastante modificadas relativas ao sinal do Porto de Suape, com um atraso em fase 158-175 minutos nas baixa-mares e uma redução de amplitude média de 60-80 cm
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8606
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Oceanografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8131_1.pdf1.57 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.