Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8497
Title: O uso de quadros de Salvador Dalí como ferramenta para avaliar alterações na percepção da forma e tamanho em portadores de esquizofrenia
Authors: Ferreira do Amaral, Viviane
Keywords: Percepção visual;Percepção de tamanho;Esquizofrenia;Salvador Dali;Rorschach;Percepção sensorial;Victor Molev
Issue Date: 31-Jan-2011
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Ferreira do Amaral, Viviane; Lucia de Bustamante Simas, Maria. O uso de quadros de Salvador Dalí como ferramenta para avaliar alterações na percepção da forma e tamanho em portadores de esquizofrenia. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Abstract: A percepção representa a organização e interpretação de todos os elementos advindos da nossa experiência sensorial; ela dá significado ao que é sentido. Baseados no princípio de que a percepção sensorial é alterada, na esquizofrenia, antes de qualquer alteração cognitiva (SIMAS, 2011), os estudos anteriores com os quadros de Salvador Dali oferecem indícios de que estes são particularmente adequados para medir alterações perceptivas visuais relacionadas à forma e tamanho. O objetivo do trabalho foi avaliar a percepção visual em pacientes com esquizofrenia comparando seus tamanhos preferidos nos quadros de Salvador Dali, nas pranchas de Rorschach e nos quadros de Victor Molev. Participaram do estudo 21 voluntários de ambos os sexos entre pacientes com esquizofrenia (GE) e aqueles sem diagnóstico de patologia (GC) do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Os procedimentos envolveram a apresentação aleatória de três classes de estímulos: fotografias de 24 quadros do pintor Salvador Dali, 24 de Victor Molev e as 10 pranchas de Rorschach, em uma estante de partitura, sem limite de tempo para observação, a uma distância de 30 cm do olho do observador. Os estímulos foram apresentados sucessivamente, seguindo a mesma ordem para todos os participantes com uma instrução padronizada: Você vai ver fotografias de quadros de um pintor e, depois de olhar cada uma, você deverá indicar a primeira figura que mais lhe chamou atenção . Na seqüência, o participante registrou a primeira figura que percebeu circulando-a sobre a pasta L transparente, com um marcador permanente. Um segundo experimento com 41 estudantes (grupo de universitários, GU) foi conduzido no LabVis-UFPE com as três classes de estímulos digitalizadas e apresentadas no programa Microsoft Office PowerPoint 2003 seguindo os mesmos procedimentos. Na análise estatística, o teste não-paramétrico Kruskal-Wallis foi utilizado, não apresentando diferenças significantes entre GE e GC para qualquer dos quadros de Dali, Molev e das pranchas de Rorschach. A amostra dos estudantes, GU, foi submetida aos mesmos testes e, na comparação com o estudo conduzido no ambulatório com o GE e GC, apresentaram diferenças significantes em todas as pranchas de Rorschach; todos os quadros de Dali (exceto no quadro 5); e todos de Molev com exceção dos quadros 56 e 69. No GU, os tamanhos das figuras escolhidas foram iguais à metade daquelas no GE e GC. Esta comparação entre os estudos 1 e 2, assim como a hipótese investigada nos estudos anteriores, apontam a necessidade de novos estudos comparando as variáveis entre diferentes características dos grupos controles
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8497
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Psicologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo6524_1.pdf2.2 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.