Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8435
Título: Concentrações de glicose plasmática e de hemoglobina glicada em idosos do Programa de Saúde da Família de Camaragibe-PE, 2003
Autor(es): SILVA, Silvia Alves da
Palavras-chave: Idosos; Diabetes mellitus; Glicose plasmática; Estado nutricional; Controle glicêmico
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Alves da Silva, Silvia; da Silva Diniz, Alcides. Concentrações de glicose plasmática e de hemoglobina glicada em idosos do Programa de Saúde da Família de Camaragibe-PE, 2003. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Introdução: Estudos epidemiológicos têm relatado um aumento progressivo na prevalência do Diabetes Mellitus (DM) com o avançar da idade. Objetivo: Descrever o perfil glicêmico e fatores associados em idosos do Programa de Saúde da Família de Camaragibe-PE. Métodos: Estudo de corte transversal e de série de casos de diabetes mellitus auto-referida (DMAR), realizado em novembro/dezembro-2003. O perfil glicêmico foi delineado pelas concentrações da glicose plasmática e pelo percentual de glicação da hemoglobina (A1c). Como fatores associados, foram avaliados: características socioeconômicas e demográficas, estado nutricional e estilo de vida. Resultados: A prevalência de hiperglicemia (&#8805;126 mg/dL) foi de 9,5% (IC95% 6,0 14,5), com níveis de glicose plasmática mais elevados nos indivíduos com excesso de peso. Entre os idosos com DMAR, cerca de 1/3 apresentou níveis glicêmicos elevados e 2/3 controle glicêmico inadequado (A1c &#8805;8,0%). As concentrações de A1c mostraram correlação positiva (r= 0,72) com as concentrações de glicose plasmática. Os níveis glicêmicos foram maiores nos homens e nos idosos com <65 anos. A glicose plasmática e A1c não mostraram correlação (p>0,05) com as variáveis relacionadas ao estilo de vida. Conclusão: A menor prevalência de hiperglicemia na população idosa de Camaragibe, em comparação aos dados de outros municípios brasileiros poderia refletir a boa cobertura na atenção à saúde local. No entanto, entre os idosos com diagnóstico de DMAR o controle glicêmico inadequado impõe a adoção de estratégias terapêuticas de maior efetividade
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8435
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3962_1.pdf533,95 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.