Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8375
Title: O reconto de histórias em língua de sinais
Authors: do Rosário de Fátima Brandão de Amorim, Maria
Keywords: Leitura;Surdez;Compreensão de texto;Língua de sinais
Issue Date: 2006
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: do Rosário de Fátima Brandão de Amorim, Maria; da Graça Bompastor Borges Dias, Maria. O reconto de histórias em língua de sinais. 2006. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Abstract: O presente trabalho teve como objetivo principal investigar a habilidade dos Surdos para compreender e produzir textos, mais especificamente os narrativos, por meio da língua de sinais. Foi avaliada a qualidade dessa compreensão através da condição de reproduzir fidedignamente uma história em diferentes gêneros narrativos. Buscou-se, então, aproximar o verdadeiro canal de comunicação dos Surdos, que é o gestual visual, da condição de input e output das informações investigadas, o que, além de assegurar um modelo mais justo de pesquisa, pode sugerir abordagens mais precisas no que diz respeito à compreensão de leitura, garantindo um processo de aprendizagem mais adequado, direcionado e eficiente. Participaram deste estudo 180 sujeitos de ambos os sexos e que cursavam a 4ª série do ensino fundamental da rede pública estadual e municipal da cidade do Recife, os quais foram divididos em três grupos: Grupo 1 ouvinte EJA (60); Grupo 2 ouvinte REGULAR (60) e Grupo 3 SURDOS (60). Todos foram submetidos a um teste denominado Type Token Test, para avaliar a habilidade lingüística. Posteriormente, por meio de uma fita previamente gravada, cada grupo recebeu as instruções para realizar, dentro de seu código lingüístico, o reconto da história em diferentes gêneros narrativos: Vídeo, História em Quadrinhos e Escrita. Todos os recontos foram filmados, sendo que no grupo dos Surdos foi mantida a sua reprodução, sem que se recorresse à tradução para glosa do português. Por tratar especificamente de reproduções narrativas como tarefa de compreensão, o estudo seguiu o modelo da gramática de histórias. As respostas foram categorizadas, mantendo a fidelidade ao texto original, sendo então analisadas quanto à reprodução, ao tipo de agrupamento (segmentação da história recontada) e à estratégia de evocação. Os resultados indicaram que o desempenho lingüístico foi do tipo ruim e regular para todos os grupos estudados. Dentre os diferentes gêneros narrativos, a História em Quadrinhos foi apontada como a que gerou menos dificuldades e a escrita, como a que gerou mais. Quanto aos Surdos, observou-se que eles apresentaram um desempenho inferior em relação aos demais grupos. As hipóteses para explicar essa ocorrência são que quase não há textos produzidos em língua de sinais e que poucas são as histórias veiculadas a essa população nos diversos gêneros narrativos aqui propostos. Diante desse resultado, conclui-se que é urgente e necessária uma mudança das práticas pedagógicas voltadas para essa população minoritária. Para se consolidar como um aprendiz, o Surdo deve ser autônomo, deve ser provido de experiências que o encorajem a construir significados, sendo sempre possível incrementar sua capacidade de aprender através de mediação cognitiva apropriada. Para isso, sugere-se no presente estudo que seja utilizada a língua de sinais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8375
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Psicologia Cognitiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8922_1.pdf3.58 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.