Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8367
Título: Variação ontogenética na alimentação e relações comportamentais de peixes do gênero Haemulon nos recifes costeiros de Tamandaré - PE
Autor(es): Henrique Cipresso Pereira, Pedro
Palavras-chave: Variação ontogenética; Hábito alimentar; Relações comportamentais; Recifes costeiros; Tamandaré
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Henrique Cipresso Pereira, Pedro; Padovani Ferreira, Beatrice. Variação ontogenética na alimentação e relações comportamentais de peixes do gênero Haemulon nos recifes costeiros de Tamandaré - PE. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Oceanografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O gênero Haemulon é representado atualmente por vinte e uma espécies validas ao longo do mundo, os mesmos dominam numericamente as comunidades de recifes rasos e representam um excelente grupo para estudos ecológicos, já que possui uma ecomorfologia bem variada, grande importância numérica, ecológica e econômica. O presente trabalho é focado nas quatro espécies do gênero presentes na região do estudo, os recifes costeiros do município de Tamandaré- litoral sul do estado de Pernambuco, sendo elas: Haemulon aurolineatum, H. parra, H. plumieri e H. squamipinna, as quais são comumente capturadas pela pesca artesanal na região, e conhecidas como xiras . O estudo foi divido em três capítulos sendo o primeiro com o objetivo de analisar as variações ontogenéticas na dieta e a sobreposição alimentar das espécies, o segundo realizar observações do comportamento alimentar e de interações agonísticas e no último foram investigadas as associações de formação de cardumes dos mesmos com outros peixes recifais. Para análises da dieta foram coletados, com diversas artes de pesca (puçá, linha de mão e arpão) 276 indivíduos de comprimento total variando de 1,5 até 33,5 cm e peso entre 1,5 e 410,13 gramas. Houve uma clara variação ontogenética na dieta sendo que as classes de tamanhos inferiores (0 5 e 0 10 cm) tiveram alimentação composta principalmente por copépodos e pequenos crustáceos, como anfípodes e tanaidáceos, já com aumento do tamanho houve predominância de itens maiores como poliquetas e caranguejos braquiúros. Os valores de sobreposição alimentar das dietas, ou seja, o nível de semelhança entre a quantidade e diversidade de itens utilizados como recurso alimentar foram altos em 100% das análises para as classes de comprimento extremas, ou seja, indivíduos menores que 5 cm e maiores que 15 cm. No entanto para as classes de comprimento intermediarias (5 - 10 cm e entre 10 e 15 cm) foram registrados alguns valores baixos de sobreposição. Referente ao capítulo 2, as observações de comportamento alimentar (padronizadas em 10 minutos) foram realizadas utilizando as técnicas de mergulho livre / autônomo e realizadas do início da manhã (8:00 h) até o final da tarde (17:00 h). Entre os indivíduos agrupados ou não em cardumes foi observado um padrão evidente para todas as espécies (principalmente para os adultos) de menor freqüência alimentar para os indivíduos em cardumes, já que é conhecido que os mesmos formam cardumes para proteção e se agrupam em uma formação chamada resting schools e assim permanecem com baixa atividade alimentar. Houve também uma diferença entre o local de alimentação relativo à fase de vida das espécies (juvenil/adulto) sendo que os indivíduos adultos alimentaram-se no substrato arenoso e os juvenis na coluna de água. Modificações ontogenéticas na dieta e no comportamento de peixes recifais ocorrem com objetivo de minimizar gasto energético e risco de predação e paralelamente aumentar taxas de crescimento. Relacionado ao terceiro capítulo, foram observadas no total 15 espécies de peixes recifais pertencentes a oito diferentes famílias realizando associações de formação de cardumes com espécies do gênero Haemulon. O comportamento foi observado em um total de 109 vezes, sendo as espécies que realizaram as associações com maior freqüência: Lutjanus alexandrei (n= 20), Pseudupeneus maculatus (n= 19), Anisotremus virginicus (n= 13), Sparisoma radians (n = 10) e Mulloidichthys martinicus (n= 10). Os fenômenos de associações de cardumes registrados possivelmente estão ligados a grande quantidade de indivíduos do gênero Haemulon presentes nos ecossistemas recifais, e, também a tendência de indivíduos com reduzidas populações a permanecerem em cardumes (e.g. gênero Scarus)
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8367
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Oceanografia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2656_1.pdf5,37 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.