Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8323
Title: Brilhando através das nuvens negras: Há subjetividade na linguagem da criança autista ?
Authors: Wanderley Correia de Andrade, Fernanda
Keywords: Linguagem;Autismo;Estrutura psíquica
Issue Date: 2005
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Wanderley Correia de Andrade, Fernanda; Maria Monteiro de Carvalho, Glória. Brilhando através das nuvens negras: Há subjetividade na linguagem da criança autista ?. 2005. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.
Abstract: Esta pesquisa teve como objetivo analisar se as peculiaridades na/com a fala da criança autista e as mudanças qualitativas advindas neste campo lingüístico poderiam refletir uma particular posição subjetiva (e possíveis alterações nesta posição) frente ao campo do Outro . A psicanálise de linha francesa e a lingüística estrutural (mais particularmente, a teoria estrutural sobre o processo de aquisição de linguagem de Cláudia Lemos) foram os referenciais teóricos adotados, revelando que, neste estudo, foi contemplada a articulação, ao mesmo tempo, de língua e sujeito. Para tal, foi realizado um estudo de caso de uma criança diagnosticada como autista, em distintas situações de interação com diferentes interlocutores que puderam lhe servir (ou não) de Outro . A análise dos dados de caráter qualitativo foi dividida em duas partes: 1) construção do lugar subjetivo que a criança é colocada nos contextos familiar e de tratamento; e 2) captação das posições subjetivas assumidas pela criança frente ao Outro (instanciação da língua). Tomando a repetição da fala do outro como elemento de referência, foram detectadas quatro amplas posturas da criança frente aos interlocutores (ausência de interlocução, interlocução ecolálica, interlocução não ecolálica e ruptura de interlocução) que revelavam diferentes posições subjetivas da criança em relação à língua. Estas posições subjetivas oscilavam constantemente de uma radical impossibilidade a uma efetiva possibilidade de dependência da criança à fala do outro, retratando, em determinados momentos, a submissão da criança ao funcionamento estrutural da língua, em termos do processo metonímico. Por sua vez, tomando o erro imprevisível como outro elemento de referência, foi possível detectar um efeito de enigma provocado nos interlocutores, por algumas produções estranhas da criança, que poderia expressar o movimento de retorno de algo neles, relativo ao funcionamento metonímico e metafórico da língua, que já estaria em trânsito na própria criança, embora ainda em estado rudimentar. Conclui-se que esta oscilação constante de posições subjetivas da criança frente à língua reflete modificações, embora não radicais, na estrutura psíquica, viabilizando novos arranjos subjetivos, em analogia aos movimentos de um caleidoscópio. Desta forma, a criança avança na questão da subjetividade, apresentando certas possibilidades de manobras subjetivas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8323
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Psicologia Cognitiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8893_1.pdf2.2 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.