Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/832
Título: Etnobotânica nordestina : estratégia de vida e composição química como preditores do uso de plantas medicinais por comunidades locais na caatinga
Autor(es): de Fátima Castelo Branco Rangel de Almeida, Cecilia
Palavras-chave: Etnobotânica;Brasil;Nordeste;Plantas medicinais;Plantas da caatinga
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Fátima Castelo Branco Rangel de Almeida, Cecilia; de Holanda Cavalcanti Andrade, Laise. Etnobotânica nordestina : estratégia de vida e composição química como preditores do uso de plantas medicinais por comunidades locais na caatinga. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: As informações atualmente disponíveis evidenciam o papel da forma de vida das plantas e da bioquímica ecológica sobre o uso e conhecimento local de recursos medicinais. Com isso, realizou-se um estudo de etnobotânica associado a uma abordagem fitoquímica da flora medicinal da caatinga usada popularmente em comunidades inseridas na região de Xingó (Nordeste do Brasil), enfocando a explicação da seleção e uso de plantas medicinais. Inicialmente foi realizado um estudo etnobotânico para o levantamento das plantas medicinais utilizadas na região, com base em entrevistas com 339 pessoas empregando-se questionários padronizados. Para eliminar o efeito da interferência cultural não foram consideradas as plantas exóticas intencionalmente cultivadas, o que resultou na seleção de 41 espécies. Em campo, foram obtidas informações referentes aos tipos de estratégias de vida e hábito para cada espécie, bem como coletadas as partes do vegetal indicadas para uso medicinal. Realizou-se um estudo fitoquímico de cinco classes de compostos químicos nas espécies selecionadas. Verificou-se a existência da relação entre o número de espécies com resultados positivos para cada uma classes de compostos químicos e a estratégia de vida e hábito. Adicionalmente, empregou-se o teste de Kruskal-Wallis para examinar se a importância relativa local das espécies está associada com a estratégia de vida, hábito e composição química. Foram encontradas diferenças significativas no número de ocorrências positivas para cada uma das classes de compostos em relação às estratégias de vida e hábito. As plantas estrategistas K apresentaram maior número de ocorrências do que as estrategistas r. De um modo geral, as árvores foram mais diversificadas quanto à presença das classes de compostos pesquisadas do que as ervas e arbustos. Considerando os aspectos acima, é provável que a seleção de uma farmacopéia tradicional baseada em plantas da vegetação nativa, seja influenciada por aspectos ecogeográficos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/832
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia Vegetal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4710_1.pdf693,13 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.