Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8282
Título: Produção de textos na escola: a argumentação em textos escritos por crianças
Autor(es): Ferraz Leal, Telma
Palavras-chave: Argumentação;Produção de textos;Escola
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Ferraz Leal, Telma; Roazzi, Antonio. Produção de textos na escola: a argumentação em textos escritos por crianças. 2004. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: O objetivo desta pesquisa foi analisar algumas estratégias de argumentação adotadas por crianças em textos escritos e os efeitos do contexto escolar sobre essas estratégias. Os procedimentos constaram de aplicação de uma tarefa de produção de texto em 12 turmas de 2a a 4a séries, de três escolas públicas e uma particular, e de observação de três aulas em cada turma. As análises foram realizadas em quatro etapas: (1) exploração dos relatórios de observação das três aulas; (2) análise dos 205 textos produzidos pelas crianças; (3) exploração dos relatórios de aplicação da produção textual; (4) análise detalhada de três turmas. Verificamos que as crianças não tiveram dificuldade para apresentar os pontos de vista nem para justificá-los, havendo, ainda, diversidade quanto às estratégias de condução dos leitores e de utilização de recursos lingüísticos, sobretudo de modalizadores. As justificativas das justificativas apareceram para atender a diferentes propósitos: garantir a aceitabilidade da justificativa ou ressaltar sua relevância. Os contra-argumentos apareceram em todas as séries, tanto através da explicitação da restrição quanto através de processos de inferenciação. Houve diversidade de modelos textuais. Os resultados evidenciaram efeitos dos tipos de intervenção didática sobre as estratégias argumentativas utilizadas e do contexto imediato de produção. Todas essas reflexões foram realizadas a partir da perspectiva de que haveria por parte dos alunos um reconhecimento da professora como interlocutora privilegiada, dado que eles sabiam que escreviam na escola para aprender a escrever , embora pudessem, paralelamente, dar conta de outras finalidades (reais ou imaginárias). Esse desdobramento da finalidade parecia, em alguns momentos, dificultar a tarefa, principalmente no que se referia ao cálculo dos conhecimentos partilhados que poderiam ser ocultados nos textos. Concluiu-se, portanto, que as estratégias de escrita foram orientadas pelas representações que as crianças tinham sobre as práticas escolares de elaboração textual e que algumas dificuldades apontadas nos estudos realizados anteriormente pareciam ser oriundas, muitas vezes, da desconsideração de processos didáticos inadequados, que não conduziam a práticas diversificadas de escrita, ou das dificuldades das crianças em lidar com o desdobramento das finalidades textuais no contexto escolar. Concebemos, ainda, que as divergências entre os diferentes estudiosos do tema podem decorrer das diferentes concepções sobre texto ou sobre argumentação
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8282
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Psicologia Cognitiva

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8883_1.pdf3,47 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.