Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8215
Title: Crianças selvagens : a expressão das emoções após situação de extrema privação de convívio social
Authors: Pontes Souza, Karine
Keywords: Crianças Selvagens; Emoções; Expressão das Emoções
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Pontes Souza, Karine; da Graça Bompastor Borges Dias, Maria. Crianças selvagens : a expressão das emoções após situação de extrema privação de convívio social. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: Os estudos sobre emoções são realizados há muito tempo, mas apesar disso não há um consenso sobre um conceito devido às muitas questões envolvidas nesse complexo processo. Um ponto controverso é sobre a existência de emoções básicas e sua universalidade. Alguns autores defendem a idéia de emoções inatas e universais, outros opinam sobre os fatores culturais presentes no desenvolvimento das emoções. Apesar dessa discussão todos concordam que as pessoas expressam externamente suas emoções através de gestos, ações, reações fisiológicas, expressões faciais e vocais. Existem vários relatos sobre crianças que foram privadas de convívio social e passaram a viver com animais ou em isolamento social e foram consideradas selvagens. Estes casos despertam no mínimo a curiosidade da população em geral e dos acadêmicos, pois representam uma forma de se tentar entender o papel da sociedade e do convívio com outros da mesma espécie para o desenvolvimento das funções únicas do ser humano. Os participantes desta pesquisa foram dois jovens descobertos num curral com suínos no interior de Pernambuco. Permaneceram nessa situação por aproximadamente sete anos. A presente pesquisa é um estudo de caso, de caráter exploratório que visou investigar as expressões emocionais nesses sujeitos no sentido de se produzir evidências para o estudo do desenvolvimento das emoções e o debate acerca da sua universalidade e/ou relatividade. Comparando os dois irmãos em relação às emoções esperadas e as observadas para as situações geradoras de emoções encontradas nos vídeos analisados, chegamos ao resultado que a congruência total entre esses tipos de emoção foi semelhante para os dois sujeitos, porém existem diferenças entre os irmãos na congruência de emoções esperadas específicas. A alegria foi a emoção mais observada nos participantes em detrimento das outras. A emoção de tristeza não foi observada nas análises, porém foi relatada pela cuidadora. Pedro demonstrava tristeza, mas João só a demonstrou quando o irmão morreu. Não houve evidências da emoção de nojo nos sujeitos deste estudo, esse fato nos levou a questionar a universalidade das emoções. O tipo de emoção (agradáveis, desagradáveis, neutras ou nenhuma; mais elaboradas ou menos elaboradas ) não interferiu na congruência dos participantes, porém se só considerarmos as emoções agradáveis e as desagradáveis observamos que Pedro demonstra ser mais incongruente nas emoções desagradáveis. João não demonstrou variação da congruência em função da época da observação, mas Pedro apresentou congruência significativamente maior a partir de 2005. Podemos concluir que após quatorze anos de ressocialização, Pedro demonstrou ser mais apático que João apesar de ter sido colocado no cativeiro numa idade maior (6/7 anos de idade). Neste caso a privação do convívio social mais tardia trouxe mais dano ao que diz respeito à expressão emocional
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8215
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Psicologia Cognitiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3877_1.pdf1.44 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.