Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8167
Title: Conversando com a mãe e com a terapeuta: o lugar da criança surda no diálogo
Authors: Câmara Lima Alves de Souza Pimentel, Natália
Keywords: Processo de comunicação;Perspectiva dialógica;Diálogo;Deficiência auditiva;Terapia fonoaudiológica.
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Câmara Lima Alves de Souza Pimentel, Natália; da Conceição Diniz Pereira de Lyra, Maria. Conversando com a mãe e com a terapeuta: o lugar da criança surda no diálogo. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: Este trabalho analisou, através dos relatos das mães e das terapeutas, o lugar atribuído à criança surda no diálogo. Para tanto, foram analisados os relatos de conversas, de 26 mães de crianças surdas (13 destas crianças estavam freqüentando terapia fonoaudiológica e 13 não estavam) e seis terapeutas (fonoaudiólogas ou estagiárias de fonoaudiologia) destas crianças. Para realizar a coleta dos dados, foi solicitado às participantes que relatassem conversas que tiveram com a criança. Estas conversas poderiam ser com relação a assuntos ou então conversas que surgiram em alguma situação do cotidiano. Os dados foram coletados individualmente e gravados em áudio. Após a transcrição dos dados, os mesmos foram enquadrados em quatro modalidades diferentes no que se referia ao grau de engajamento e negociação que os referidos relatos estavam apresentando com relação às trocas dialógicas dos sujeitos, ou seja, se baseando na perspectiva dialógica de comunicação, na qual os parceiros devem agir como co-autores das ações. No presente estudo, este grau de engajamento e negociação seria uma forma de observarmos se através do que foi relatado pelas participantes, se as mesmas possibilitavam ou não a criança ser co-autora no processo de comunicação. Os recursos para se comunicar com a criança também foram analisados de acordo com as respostas obtidas através do questionário que foi respondido pelas participantes no fim da coleta dos dados. Os resultados demonstram que as mães das crianças surdas que já freqüentavam terapia fonoaudiológica obtiveram melhor desempenho com relação a provável aceitação da criança surda no diálogo. Já as mães de crianças surdas que não freqüentavam terapia fonoaudiológica, obtiveram desempenhos menores com relação às demais mães, porém, algumas mães relataram diálogos com a criança, inferindo-se que, possivelmente, forneceram espaço para as crianças se posicionarem como parceiros na comunicação. Confirmando a tendência que as mães possuem em estabelecer comunicação com seu filho, mesmo ele sendo surdo. Já com relação às terapeutas, de acordo com os dados obtidos, pode-se sugerir que houve um empate com relação à posição da criança no diálogo de acordo com os relatos. Pode-se sugerir que a terapia fonoaudiológica auxilia na comunicação, mas que mesmo sem freqüentar terapia, possivelmente, as mães podem aceitar a criança como capaz de estabelecer diálogo, mesmo com o comprometimento auditivo interferindo nesta comunicação. De acordo com os dados obtidos através da análise das respostas do questionário, pode-se sugerir que as participantes usufruíam de todos os recursos (gestos, LIBRAS e outros) que lhes fossem eficazes para poder se "fazerem entender" e impor significados no outro
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8167
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Psicologia Cognitiva

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3864_1.pdf729.31 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.