Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8108
Title: Avaliação comparativa do reparo ósseo em fêmur de ratos submetidos a enxerto bovino composto ou inorgânico
Authors: Débora Paschoalin Miguel, Lílian
Keywords: Ósseo;Materiais biocompatíveis;Ratos
Issue Date: 31-Jan-2009
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Débora Paschoalin Miguel, Lílian; Lys Medeiros, Paloma. Avaliação comparativa do reparo ósseo em fêmur de ratos submetidos a enxerto bovino composto ou inorgânico. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Patologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Abstract: Este estudo objetivou analisar e comparar o reparo ósseo em fêmur de ratos submetidos ou não à enxertia com biomateriais xenogênicos de origem bovina (enxerto composto de matriz orgânica e mineral ou enxerto inorgânico). Foram padronizados defeitos de 3mm³ no fêmur esquerdo de 30 ratos Wistar albinus machos, adultos-jovens, divididos em três grupos: I, utilização de enxerto bovino composto (Gen-Mix®); II, enxerto bovino inorgânico (Gen-Ox®); III, reparo fisiológico (controle). Os animais foram sacrificados após 15 e 30 dias do evento cirúrgico e os espécimes obtidos foram processados e corados por HE e Picrosirius red, sendo avaliados histológica (reação do tipo corpo estranho, infiltrado inflamatório, vascularização, tecido conjuntivo fibroso, atividade osteoblástica e neoformação óssea) e morfometricamente (cálculo da área de osso neoformado através de segmentação de imagens, utilizando o algoritmo K-médias). Histologicamente, não foram encontradas reações do tipo corpo estranho nem diferenças estatísticas entre os níveis de vascularização ou neoformação óssea nas comparações estudadas. Nos demais parâmetros, diferenciaram-se: a) o nível de infiltrado inflamatório no grupo III (leve aos 15 dias, inexistente/inconspícuo aos 30); b) a formação de tecido conjuntivo fibroso entre os grupos I/II aos 15 dias (moderado no primeiro, leve no segundo) e no grupo II (leve aos 15 dias, inexistente/inconspícuo aos 30); c) a atividade osteoblástica, aos 30 dias, entre os grupos I/III (intensa no primeiro, moderada no segundo). Morfometricamente, os maiores índices de neoformação óssea (área e média de área) foram encontrados no grupo I (30 dias) e os menores no grupo III (15 dias), com diferença estatística entre tais subgrupos aos 15 dias. A área média de neoformação óssea do grupo II foi maior que a do grupo III aos 15 e 30 dias. Os grupos I e II não diferiram significativamente. O estudo concluiu que a) os biomateriais de origem bovina na forma composta e inorgânica contribuíram no processo de reparação dos defeitos ósseos; b) o biomaterial na forma composta associou-se a uma reparação mais precoce, bem como a uma maior deposição de matriz óssea neoformada (mm²) aos 15 dias
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8108
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Patologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo2782_1.pdf2.8 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.