Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8087
Título: Influência da assistência materno infantil no peso ao nascer
Autor(es): NORONHA, Gisele Almeida de
Palavras-chave: Peso ao nascer; Recém-nascido de baixo peso; Cuidado pré-natal; Cuidado perinatal; Fatores socioeconômicos; Atenção primária à saúde
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Almeida de Noronha, Gisele; de Carvalho Lima, Marilia. Influência da assistência materno infantil no peso ao nascer. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Nutrição, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O peso ao nascer de uma população é considerada um importante preditor de saúde. O baixo peso ao nascer (BPN) é determinado por múltiplos fatores como as precárias condições socioeconômicas, desnutrição materna, tabagismo, gravidez múltipla e, principalmente, cuidado pré-natal inadequado. Uma melhora na assistência materna infantil deveria resultar em queda da prevalência de BPN, no entanto, dados do Ministério da Saúde e de outros estudos têm demonstrado, tanto em Pernambuco como em outras regiões do país, que a observada melhora na assistência ao pré-natal não tem sido acompanhada com a redução da frequência do BPN. Além disso, regiões mais desenvolvidas do país vêm apresentando menores taxas de mortalidade infantil e maiores de BPN quando comparada com regiões menos desenvolvidas. Portanto, o objetivo principal desta dissertação foi avaliar a evolução da assistência materno-infantil e dos indicadores socioeconômicos e verificar a sua influência na variação do peso ao nascer no estado de Pernambuco nos anos de 1997 e 2006. O estudo foi realizado a partir de duas pesquisas de base populacional e de natureza transversal, conduzidas no estado de Pernambuco nos anos de 1997 e 2006. Considerou-se a família com crianças menores de cinco anos como a unidade de estudo. A amostra foi calculada para assegurar a representatividade de dois estratos geoeconômicos: setor urbano e setor rural. A amostra estudada consistiu em 1997 de um total de 1906 crianças (1356 no setor urbano e 550 no rural) e no ano de 2006 de 1555 (805 na área urbana e 750 na rural). As variáveis estudadas foram relativas às condições socioeconômicas, características maternas e assistência ao pré-natal e parto. Verificou-se no meio rural precário aumento do acesso aos serviços de água, esgoto e coleta de lixo, aumento da posse de bens de consumo, modesto progresso da escolaridade materna, aumento da altura materna, importante melhora na assistência ao pré-natal e aumento do parto cesáreo. Houve uma redução estatisticamente significante de 112g na diferença média de peso ao nascer no meio rural. Em 2006 o acesso a pelo menos 1 consulta de pré-natal ocorreu independente da escolaridade materna, no entanto, o acesso ao pré-natal mais adequado foi maior entre as mães de maior escolaridade, tanto em 1997, como em 2006. Apesar da melhora nas condições socioeconômicas e da expansão da assistência no pré-natal e no parto, esta correu de forma iníqua. O excesso de intervenções médicas e, principalmente, o aumento da sobrevida de recém nascidos podem estar contribuindo para as variações encontradas na média de peso ao nascer no estado de Pernambuco. Em conclusão, ações na área da saúde pública devem ser implementadas e aperfeiçoadas em coerência com a realidade de cada região
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/8087
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Nutrição

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
GAN PROTEGIDO.pdf2,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.