Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7964
Title: Repente : do canto árabe aos sertões nordestinos
Authors: do Socorro de Assis Monteiro, Maria
Keywords: Repente; Arte democrática
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: do Socorro de Assis Monteiro, Maria; Gonçalves Licari, Luzilá. Repente : do canto árabe aos sertões nordestinos. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: O Repente é o que se pode chamar, com exatidão, de arte democrática, fruto que é do espaço que ocupa, da característica de seus produtores, dos motivos da terra e das suas gentes. Seu nascedouro são aglomerados humanos, rurais, de igual padrão social; seus feitores são artistas nitidamente populares, cantadores do lugar; seus temas são estimulados pela conjuntura da terra e do homem, e envolvem, numa espécie de lirismo, o sentimento amoroso, os problemas sociais, a natureza, a religião e Deus, além de um escárnio com ar de desdém aos políticos e às políticas atuais, entre muitos outros motivos. Essa modalidade artística ainda enfrenta muitos desafios, e o principal deles diz respeito à forma preconceituosa com que é visto por aqueles ditos apreciadores da arte superior. Isso restringe (em parte) o espaço do movência do Repente, como se toda arte devesse seguir os padrões artísticos internacionais, tradicionamente arraigados nos meios escolares da Europa e disseminados pelos demais continentes. Os olhares postos no Repente, buscaram, na maioria das vezes, examinar as raízes da cultura brasileira, seu vínculo com o universo europeu, sua pertinência com o mundo árabe (cogitada a pouco tempo), seu lado pitoresco, anônimo, folclórico, e isso distanciaria esta arte de toda erudição. Essa distância estaria, na verdade, cada vez mais tênue, e isto é comprovável na simples observação das chamadas obras literárias clássicas, a exemplo da Ilíada, de Homero, de Os Lusíadas, de Luis de Camões, entre outras. A fusão de linguagens, organizadas em níveis mesclados de erudição e popular, bem como a provável autoria desses cantos atribuída por muitos estudiosos, a cantores populares, contribuiriam para o fortalecimento da conexão entre o popular e o erudito. O cultivo da oralidade, característica impar da arte repentista, aponta para os primórdios da existência poética do Repente, posto que a voz é anterior a qualquer expressão comunicativa do homem, e essa voz estaria vinculada ao ritmo, primeira descoberta anterior a linguagem, segundo Otávio Paz. O ritmo havia de ser o poético da vida e foi percebido a partir do compasso do coração, dos movimentos da respiração, da marcha dos pés, do movimento dos astros, da luz e das trevas, das marés: enfim, o ritmo preexiste a qualquer linguagem verbal. O Repente não tem valor meramente sociológico, antropológico, não está no lugar do passado, como muitos preferem ver, mas é vivo, está a nossa volta, visível, audível, comunicando ao homem, sensibilizando-o, pelo canal mais precioso, direto e real: a voz dos cantadores repentistas
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7964
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Linguística

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8322_1.pdf919.15 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.