Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7780
Título: Sobre a na(rra)ção em Oliveira Lima: Uma leitura de formação histórica da nacionalidade brasileira
Autor(es): Victor Silva, Lucas
Palavras-chave: Oliveira Lima;Identidade Nacional;Primeira República
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Victor Silva, Lucas; do Socorro Ferraz Barbosa, Maria. Sobre a na(rra)ção em Oliveira Lima: Uma leitura de formação histórica da nacionalidade brasileira . 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: No dia 15 de março de 1911, no anfiteatro Turgot da Faculdade de Letras da Sorbonne, o então Ministro do Brasil em Bruxelas, Manoel de Oliveira Lima, iniciaria uma série de 12 conferências que comporiam curso chamado Formação Histórica da Nacionalidade Brasileira, e que posteriormente seriam transformadas em livro homônimo. Com o Formação , Oliveira Lima escreveria o primeiro livro que, de forma sintética, forneceria um amplo painel da história do Brasil. percebemos a possibilidade de se investigar o historiador Manoel de Oliveira Lima como o construtor de uma identidade nacional brasileira. O historiador é aqui inserido nas redes institucionais e discursivas da Primeira República. Nossa opção foi a de entender como, simultaneamente, Oliveira Lima participava dos debates acerca dos caminhos da América Latina e da República brasileira. Tentou-se perscrutar as representações limasianas a cerca da identidade nacional, da América Latina e da República. A escrita da história atua decisivamente na construção da narrativa nacional ao fornecer imagens, cenários, símbolos e heróis que conferem sentido a nação. Uma história instituída a partir das descobertas e construções lusitanas rejeitase o negro e o índio como elementos constitutivos da nação e eleva o conquistador a artífice exclusivo da nacionalidade. Descobrimos uma nacionalidade brasileira constituída como branca, lusitana, latina, européia e francófila. A partir de Michel Foucault, pretendeu-se também compreender como a escritura limasiana relaciona-se com das condições de possibilidade discursiva da epistémê moderna
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7780
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo7718_1.pdf898,65 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.