Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7778
Título: Piranhas de baixo, piranhas de cima, novas piranhas: conservação urbana patrimonial versus modernização em área de influência direta da UHE Xingó
Autor(es): SILVA, Álvaro Antônio Moreira da
Palavras-chave: Patrimônio histórico;inserção regional;setor elétrico
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Antônio Moreira da Silva, Álvaro; do Socorro Ferraz Barbosa, Maria. Piranhas de baixo, piranhas de cima, novas piranhas: conservação urbana patrimonial versus modernização em área de influência direta da UHE Xingó. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: O presente trabalho, Piranhas de Baixo, Piranhas de Cima, Novas Piranhas: conservação urbana patrimonial versus modernização em área de influência direta da Usina Hidrelétrica de Xingó, aborda a relação entre o patrimônio histórico da cidade de Piranhas e a implantação da UHE Xingó. Apesar do recorte definido, 1987 a 2002, foi necessária uma distensão do tempo, justificada pela importância da contextualização e entendimento do passado histórico da cidade. Temáticas como inserção regional motivada pela implantação de grandes empreendimentos, navegação/ ferrovia/ usina hidrelétrica, foi objeto de reflexão por terem desempenhado papéis de grande relevância na formação territorial urbana de Piranhas e como tentativas de modernização regional. A construção do acampamento, pela Chesf, originando os bairros de Xingó e de N. S. da Saúde, representou uma grande expansão da cidade; promoveu a convivência de dois mundos urbanos completamente diferentes e desassociados: o antigo e o novo. Pelos fatos apresentados fica clara a importância do rio do São Francisco na origem, ocupação e evolução urbana da cidade e a participação do Estado, através do Setor Elétrico na concepção e construção da Usina. Apesar do forte impacto registrado a cidade mantém conservados seu patrimônio, material e imaterial. Tombada pela Prefeitura Municipal em 2000, aguarda os respectivos reconhecimentos preservacionistas nos níveis estadual e federal. E como expectativa de desenvolvimento surge como um dos vetores, o segmento turístico através da potencialização dos bens da natureza e cultural
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7778
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - História

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo770_1.pdf6,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.