Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7586
Título: Vergílio Ferreira: para sempre, romance-síntese e última fronteira de um territorio ficcional
Autor(es): Rodrigues de Paiva, José
Palavras-chave: Romance português do século XX; Obra vergiliana; Para sempre; Diálogo intersemiótico
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Rodrigues de Paiva, José; de Holanda Barros, Lourival. Vergílio Ferreira: para sempre, romance-síntese e última fronteira de um territorio ficcional. 2006. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Análise do conjunto da obra romanesca de Vergílio Ferreira, abrangendo, de Mudança (1949) a Cartas a Sandra (1996), quinze romances publicados pelo escritor. A ênfase do estudo recai sobre Para sempre ao qual é dedicada a segunda parte do trabalho de que se demonstra o caráter de síntese ou de súmula romanesca, para a qual convergem todos os grandes temas, motivos, símbolos e elementos fundamentais na construção do universo imaginário e simbólico erguido pelo romancista sobre os alicerces da linguagem artística. Coroamento de tudo quanto veio a ser construído nos romances anteriores, formadores de ciclos pelas interligações temáticas, sentido de pesquisa ou de problematização filosófica e estética, Para sempre é visto como a última fronteira de um vasto território literário onde se interligam o romance, o ensaio e o memorialismo representado pelo diário do escritor. O estudo esteve atento a todas essas diferentes faces da obra vergiliana que dialogam intensamente entre si. Destacou-se, também, o diálogo que, a partir do romance, se estabelece entre a literatura e as outras artes particularmente a pintura, a música, o cinema e a fotografia , constantemente tematizadas na obra de Vergílio. Nele, o romance vem a ser, também, o lugar onde é possível realizar a síntese do seu pensamento sobre a Arte em todas as suas formas de expressão, o que aponta para um diálogo intersemiótico. O caminho analítico-interpretativo percorrido ao longo da leitura da obra romanesca, observada a seqüência da sua criação, é o da busca de sentido, numa perspectiva hermenêutica que não despreza os elementos subsidiários que possam trazer luz ao conhecimento e compreensão do núcleo do universo em estudo. Por isso foram relevantes, aos objetivos e conclusões desta análise, as leituras feitas dos ensaios e do diário do romancista, a partir dos quais particularmente da leitura do diário se descortina uma perspectiva de crítica genética. O estudo comprova a hipótese inicial, a de ser Para sempre a última fronteira do território ficcional vergiliano , não obstante as obras posteriores a este romance. Sem o sentido de rigorosa continuidade temática, elas não constituem exatamente um novo ciclo, e, com a última delas, Cartas a Sandra, o romancista regressa à fronteira , que é Para sempre, para fechar o círculo da obra e da vida
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7586
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo7590_1.pdf3,74 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.