Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/756
Título: Gênero, corpo, emoção e medidas sócio-educativas: uma aproximação da violência urbana.
Autor(es): Franca Barreto, Alexandre
Palavras-chave: gênero;homens jovens;sistema sócio-educativo;violência;práticas corporais;expressões emotivas
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Franca Barreto, Alexandre; Parry Scott, Russell. Gênero, corpo, emoção e medidas sócio-educativas: uma aproximação da violência urbana.. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: Esta dissertação faz uma análise da violência urbana, a partir dos referenciais analíticos de gênero, corpo e emoção junto a homens jovens egressos do sistema sócio-educativo da cidade de Olinda, Pernambuco. O estudo prioriza as práticas corporais e as expressões emotivas para tecer uma compreensão sobre as trajetórias de vida dos homens jovens, seus referenciais identitários e suas experiências no sistema sócio-educativo. Estudos feministas de gênero e masculinidades, violência urbana e emoção, bem como alguns textos antropológicos clássicos de Mauss nortearam as análises da pesquisa. Ao se aproximar de jovens estigmatizados socialmente e produzir uma leitura sobre suas emoções, o estudo questiona algumas concepções binárias que ecoam em nossa cultura, tais como vítima/algoz, bem/mal, razão/emoção, cognição/afeto, bem como procura fazer um contraponto a leituras analíticas que focalizam a virilidade e a honra como justificativas centrais para a prática violenta masculina. O trabalho de campo ocorreu em dois tempos: o primeiro se refere às memórias e anotações do pesquisador durante o período que trabalhou na execução de Medidas Sócio-Educativas. O segundo tempo refere-se aos dados centrais da pesquisa, que tratam de histórias de vida, construídas ao longo de um ano de encontros e entrevistas, com quatro homens jovens egressos do sistema sócio-educativo. As trajetórias de vida dos jovens confluem para uma realidade perversa de economia de seus corpos masculinos, onde há uma escassez de recursos para utilizar em suas trocas sociais como estratégias de expressar seus sentimentos e fortalecer laços. Simultaneamente, apresentam recorrentes referenciais violentos em suas relações entre sexo, geração, classe e raça. A dor e a revolta são emoções que marcam seus corpos e se manifestam expressivamente através das infrações, alimentando feridas e dores em suas relações sociais. As experiências no sistema sócio-educativo são significativas em todas as histórias: dor, violência, receios, reconhecimento, acesso a direitos, respeito e ressocialização, enredam distintamente as diferentes histórias, despontando frágeis transformações em suas condições materiais de existências, na flexibilidade e ampliação de práticas expressivas dos corpos masculinos e no exercício autônomo e não-violento de suas emoções. A dor continua ferindo seus corpos, assim como persevera a reprodução de algumas práticas masculinas tradicionais, comunicando limites de mudanças diante da fragilidade do sistema sócio-educativo e das desigualdades nas relações sociais
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/756
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Antropologia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4332_1.pdf740,95 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.