Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7369
Title: O retratamento em hanseníase : identificação de fatores de risco: um estudo caso controle
Authors: BRITO, Maria de Fátima de Medeiros
Keywords: Hanseníase; Recidiva; Epidemilogia
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: de Fátima de Medeiros Brito, Maria; Arraes de Alencar Ximenes, Ricardo. O retratamento em hanseníase : identificação de fatores de risco: um estudo caso controle. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: Este estudo parte de uma situação-problema constituída pela dificuldade do diagnóstico diferencial e limitações de critérios clínicos e laboratoriais para retratamento por recidiva em hanseníase e consistiu em uma abordagem clínica e epidemiológica, do retratamento. Analisaram-se os fatores de risco dos pacientes reintroduzidos nos esquemas para tratamento da hanseníase casos - comparando-se com os que foram tratados no mesmo ano-diagnóstico dos casos e que não foram reintroduzidos nos esquemas terapêuticos controles - nas unidades de referência em hanseníase, no município de Recife. Através do estudo retrospectivo de caso-controle foram estudados 310 pacientes com diagnóstico de hanseníase, sendo 155 casos e 155 controles, levantados de banco de dados secundários e validados com os prontuários nas unidades de referência, quando foram procurados fatores de risco associados ao retratamento. Foram estimados odds ratio brutos e ajustado, intervalo de confiança e valores de p da associação de retratamento em hanseníase com as variáveis independentes. Em seguida, as variáveis selecionadas na análise multivariada em cada um delas foram controladas pelo efeito daquelas selecionadas nas demais. Não foi encontrada diferença significativa entre os grupos (p > 0,05) na distribuição por faixa etária, sexo, forma clínica, tempo para iniciar tratamento, índice baciloscópico inicial, esquema terapêutico, regularidade ao tratamento e critério de alta. Houve diferença significativa entre os grupos, na ocorrência de reação após término do tratamento, tendo o grupo de pacientes retratados apresentado aproximadamente três vezes mais reação que o grupo controle OR = 3,09; ICor (1,70; 5,64). Houve também diferença significativa com relação ao índice baciloscopico final observando-se que os controles em sua maioria apresentam esse índice negativo (80,4%), constituindo um fator protetor para o retratamento e os que apresentavam esse índice ≥ 1 tinham seis vezes maior probabilidade de serem retratados OR = 6,64 IC (1,55; 32,62). A condição de ser comunicante com portadores de hanseníase representa um risco de aproximadamente duas vezes de serem retrados em relação ao grupo controle OR = 1,90 IC (1,04; 3,49). Esse estudo sugere que a reação após o tratamento, condição de comunicante de portadores de hanseníase e a conclusão do tratamento com índice baciloscópico final maior ou igual a um, podem se constituir fatores de risco para o retratamento em hanseníase. Os resultados encontrados apontam para a necessidade de se monitorizar o seguimento após alta terapêutica, com acompanhamento clínico e laboratorial temporário, principalmente no grupo com reação após alta, constituindo como um grupo prioritário de vigilância epidemiológica, no âmbito dos serviços de saúde
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7369
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Medicina Tropical

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo8074_1.pdf858.51 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.