Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7330
Title: Barbarismos do coração enfermo: nacionalismo e simbolismo literário em fins do século XIX
Authors: FERREIRA, Raul Azevedo De Andrade
Keywords: Simbolismo brasileiro; geração de 1870; nacionalismo literário
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Azevedo De Andrade Ferreira, Raul; Márcio Tenório Vieira, Anco. Barbarismos do coração enfermo: nacionalismo e simbolismo literário em fins do século XIX. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: As três últimas décadas do século XIX constituíram-se como um momento decisivo para o desenvolvimento da tradição literária no Brasil. Marcado por um entrecruzamento de correntes estéticas e filosóficas que muitas vezes se resolvia num confuso ecletismo, o período será responsável pela constituição do terreno sobre o qual posteriormente surgirão os modernistas do início do século XX e o começo da consolidação dos estudos literários. Tal confusão pode ser enxergada por dois lados: por um ela se desenvolvia dentro de um projeto que pretendia fornecer uma base teórica que superasse o impressionismo dos estudiosos românticos e que também servisse à compreensão tanto da sociedade brasileira como do objeto estético, entendido então enquanto expressão natural e direta do espírito nacional . É o caso da chamada geração de 1870 , que, a partir de uma conjunção das doutrinas positiva e evolucionista, procurou, pela primeira vez, sistematizar os estudos literários. Mas ao manterem uma concepção substancialista do espírito nacional, tal geração muitas vezes continuava o projeto daqueles que pretendiam superar. A confusão do período se agrava quando no cenário surgem aqueles que ficaram conhecidos como Os Novos , i.e., a geração de poetas influenciados pela nova literatura que aparecia na França: o decadentismo e o simbolismo. De orientação idealista e mística, os jovens poetas travaram uma guerra que objetivava superar as limitações estéticas que o modelo do nacionalismo biológico da geração de 1870 implicava. Nessa luta, contudo, os Novos também não deixaram de reproduzir alguns pressupostos do modelo que conscientemente pretendiam rejeitar completamente. Procurando entender como um sistema de representações lingüísticas articula a heterogeneidade do real em significações cognoscíveis, este trabalho estuda como dois sistemas que ora se aproximavam e ora se afastavam (o do cientificismo materialista e o do simbolismo idealista) travaram entre si um combate aberto pela disputa do poder sobre a linguagem
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7330
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo3689_1.pdf1.53 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.