Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7204
Título: Caracterização dos hemócitos de Biomphalaria glabrata e Biomphalaria straminea sadios e infectados por Schistosoma mansoni
Autor(es): CAVALCANTI, Marília Gabriela dos Santos
Palavras-chave: Biomphalaria glabrata; Schistosoma mansoni; Biomphalaria straminea; Hemócitos; Morfologia
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Gabriela dos Santos Cavalcanti, Marília; André Brayner dos Santos, Fábio. Caracterização dos hemócitos de Biomphalaria glabrata e Biomphalaria straminea sadios e infectados por Schistosoma mansoni. 2011. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O ciclo do Schistosoma mansoni depende da existência de hospedeiros intermediários que no Brasil são caramujos do gênero Biomphalaria. Em muitas espécies de invertebrados sabe-se que os hemócitos e fatores humorais da hemolinfa são responsáveis pela defesa imunológica contra patógenos, que efetivamente podem impedir ou limitar uma espécie de funcionar como vetor competente. Sabendo-se que o B. glabrata demonstra maior suscetibilidade ao S. mansoni em relação ao B. straminea, o presente estudo teve como objetivo elucidar as bases celulares do sistema de defesa dos caramujos das espécies B. glabrata e B. straminea. Para a avaliação morfológica dos hemócitos nas condições sadios e infectados pelos miracídios de S. mansoni, foi utilizada a microscopia óptica, de interferência diferencial e microscopia eletrônica de transmissão. Na caracterização dos hemócitos através de lectinas (UEA-1, DBA, LCA, BS-I e WGA) conjugadas a FITC, foi utilizado o microscópio confocal a laser. Foi realizado também a avaliação cinética diferencial das células nas condições sadios e infectados pelos miracídios de S. mansoni, utilizando hemocitômetro nos tempos de 2h, 15 e 30d. Neste trabalho foi identificado cinco tipos celulares na hemolinfa das duas espécies: células blásticas, granulócitos e hialinócitos do tipo I, II e III. As células blásticas se mostram esféricas com núcleo grande localizado centralmente, em B. straminea infectados estas células não apresentaram muitas modificações morfológicas, porém em B. glabrata este tipo celular passou a apresentar alterações no formato da célula. Os granulócitos apresentaram-se com vários grânulos eletrodensos. Em B. glabrata infectados estas células não se mostraram com alterações morfológicas, porém, em B. straminea foi possível identificar liberação de grânulos. O hialinócito do tipo I foi o tipo celular mais encontrado na hemolinfa de ambas as espécies, tais células são polimórficas e apresentam muitas projeções citoplasmáticas. Estas células em caramujos infectados apresentaram-se com maior adesão celular e maior quantidade de grânulos de glicogênio. Nos hialinócitos do tipo I em B. straminea, não identificamos adesão celular, e assim como B. glabrata, passaram a apresentar mais projeções citoplasmáticas após infecção. Os hialinócitos do tipo II e III são células ovais e geralmente apresentam coloração homogênea. Estes tipos celulares apresentaram poucas alterações morfológicas após a infecção nas duas espécies estudadas. Em relação à marcação com lectinas foi evidenciado um aumento na marcação após a infecção em quase todos os hemócitos de B. glabrata e B. straminea. Na avaliação da dinâmica hemocitária em B. glabrata foram identificadas variações significantes em três dos cinco tipos celulares: células blásticas, granulócito e hialinócito I. Os mesmos resultados foram encontrados em B. straminea. Neste trabalho foi realizada a caracterização e padronização dos hemócitos de B. glabrata e B. straminea, sadios e infectados com miracídios de S. mansoni. Desta forma, o presente estudo possibilitou um melhor entendimento sobre o papel dessas células no processo de defesa contra o S. mansoni e sugere uma relação da resposta imune celular na suscetibilidade ou não ao Trematóide
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7204
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5629_1.pdf19,56 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.