Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7123
Título: Hipertensão arterial e fatores de risco associados numa coorte de pacientes vivendo com a infecção pelo HIV/AIDS
Autor(es): Roque de Arruda Junior, Evanizio
Palavras-chave: Pressão arterial; Fatores de risco; Hipertensão arterial; HIV; Aids.
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Roque de Arruda Junior, Evanizio; Ramos Lacerda de Melo, Heloísa. Hipertensão arterial e fatores de risco associados numa coorte de pacientes vivendo com a infecção pelo HIV/AIDS. 2009. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: A Hipertensão Arterial (HAS) é um fator de risco modificável na gênese da doença aterosclerótica, cujo controle pode reduzir o risco cardiovascular dos pacientes com HIV/aids. Objetivos: Estimar a prevalência de HAS e descrever as características dos pacientes com HAS em pacientes com HIV/aids. Métodos: Estudo seccional e estudo de caso-controle aninhado a uma coorte, em 1000 pacientes com HIV/aids, realizado no período de junho/2007 a dezembro/2008, em dois serviços de referência ao atendimento do HIV/aids em Pernambuco, Brasil. Considerou-se hipertensão níveis &#8805;140/90 mmHg, confirmados numa segunda visita, ou uso de medicação antihipertensiva. Resultados: Dos 1000 pacientes, foram estudados 958 e 42 foram perdas. 388 (40,50%) eram normotensos, 325 (33,92%) préhipertensos e 245 (25,57%) hipertensos, destes apenas 36 (14,8%) estavam com a PA controlada e 62 (54,39%) tiveram o diagnóstico de HAS após o diagnóstico do HIV. Lipodistrofia estava presente em 95 (38,9%), sobrepeso em 95 (38,8%), obesidade em 34 (13,9%). CT &#8805; 200mg% ocorreu em 43 (30,9%), LDL &#8805;130 mg% em 24 (22%), HDL <40 mg% em 75 (52,1%), TG &#8805;150 mg% em 84 (60%) e diabete melito em 4 (2,9%), tabagismo em 56 (23,1%). A carga viral estava indetectável ou <10.000 cópias em 54 (80,6%) e níveis de linfócitos CD4 estavam > 350 cel/mm3 em 80 (63,5%). O uso de anti-retroviral (ARV) ocorreu em 179 (82,5%), 89 (41,6%) em uso de inibidores de protease (IP) e 95 (44,4%) sem IP. 148 (87,1%) utilizavam ARV por mais de 12 meses. O estudo caso-controle entre pacientes com HIV/aids hipertensos e normotensos, mostrou que os fatores de risco tradicionais tais como a idade >40 anos (OR=3,06; IC=1,91-4,97), o sexo masculino (OR=1,85; IC=1,15- 3,01), o índice de massa corpórea > 25 (OR=5,51; IC=3,36-9,17) e triglicerídeos > 150 mg/dL (OR=1,69; IC=1,05-2,71), mostraram-se independente e significativamente associados à hipertensão. A lipodistrofia não esteve associada à hipertensão. O tempo de tratamento ARV e os níveis de linfócitos CD4 < 200 células/mm3 estiveram associados à hipertensão na análise univariada, entretanto não permanecram no modelo multivariado final. O tipo de esquema ARV não apresentou associação com hipertensão. Conclusão: A hipertensão nos pacientes com HIV/aids está em parte associada a fatores não modificáveis como a idade, o sexo e a história familiar de hipertensão. Elevada freqüência de hipertensos não controlados e riscos cardiovasculares nos infectados pelo HIV, impõem necessidade de medidas preventivas e terapêuticas contra a HAS neste grupo, devendo objetivar o controle dos fatores reversíveis associados à doença, particularmente os erros dietéticos e o ganho excessivo de peso
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7123
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3560_1.pdf1,99 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.