Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7093
Título: Clarice Lispector e seu papel como cronista: da futilidade das páginas femininas à epifania do texto literário
Autor(es): Milene Gomes de Araújo, Marta
Palavras-chave: Clarice Lispector; Crônica; Jornalismo
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Milene Gomes de Araújo, Marta; Maria Araújo Ferreira, Ermelinda. Clarice Lispector e seu papel como cronista: da futilidade das páginas femininas à epifania do texto literário. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: Entre as décadas de 1940 e 1970, a escritora Clarice Lispector exerceu diferentes funções na imprensa brasileira, especialmente na imprensa carioca. Além de escrever crônicas para o Jornal do Brasil, a escritora manteve colunas femininas em três diferentes periódicos do Rio de Janeiro, nos quais discorria sobre temas fúteis como moda, corpo, beleza, normas de etiqueta, comportamento, curiosidades, economia doméstica, entre outros. Com receio de manchar sua imagem diante da crítica que já a considerava uma escritora complexa e hermética, Clarice Lispector assinava tais colunas com os pseudônimos Tereza Quadros (no Comício, em 1952) e Helen Palmer (no Correio da manhã, entre 1959 e 1961), além de assumir a função de ghost writer da famosa atriz e manequim da época Ilka Soares (no Diário da noite, entre 1960 e 1961). Tendo em vista as circunstância e particularidades dessa atividade exercida por Clarice Lispector no jornalismo carioca, nossa dissertação pretende analisar a sua participação nessas páginas femininas e a possível influência que essa escrita jornalística possa ter exercido sobre sua obra ficcional. Para tanto, buscamos analisar de maneira abrangente a contaminação dos gêneros jornalístico e literário na obra da escritora, a fim de compreender de onde pode ter nascido uma literatura das mais poderosas e definitivas no cenário da literatura brasileira de todos os tempos, marcada por experiências místicas e reveladoras, consideradas por muitos como epifânicas, a partir de um jornalismo feminino de extrema superficialidade e banalidade. Não obstante, utilizamos como corpus de nossa pesquisa textos jornalísticos publicados por Clarice Lispector nas colunas femininas reunidos em dois livros organizados pela pesquisadora Aparecida Maria Nunes, Correio Feminino (2006) e Só para mulheres (2008), bem como oito textos ficcionais presentes em diferentes livros, Felicidade Clandestina (1975), A via crucis do corpo (1974) e Laços de família (1960), observando os processos de transmigração e de transfiguração de temas e motivos das colunas femininas para sua ficção, percebendo como a escritora se utilizou desse meio jornalístico como importante laboratório e exercício de escritura
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7093
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Teoria da Literatura

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1781_1.pdf1,35 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.