Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6981
Título: Avaliação de Kato-Katz e ELISA em pacientes infectados pelo Schistosoma mansoni antes e após o tratamento com Praziquantel
Autor(es): da Rocha Poroca, Diogo
Palavras-chave: Áreas endêmicas; ELISA; Kato-Katz; Schistosoma mansoni
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: da Rocha Poroca, Diogo; do Amparo Andrade, Maria. Avaliação de Kato-Katz e ELISA em pacientes infectados pelo Schistosoma mansoni antes e após o tratamento com Praziquantel. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: As técnicas de Kato-Katz (método padrão-ouro) e ELISA são dois métodos utilizados para diagnóstico da esquistossomose mansônica em áreas endêmicas para doença. O primeiro possui baixo custo e alta especificidade, porém, possui baixa sensibilidade aumentando os resultados falsos negativos. O segundo possui boa sensibilidade e pela alta imunogenicidade das infecções por Schistosoma, pode ser utilizado em conjunto com o primeiro na detecção e controle de cura da enfermidade. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi avaliar os métodos de Kato-Katz a partir da contagem de ovos nas fezes e ELISA pela dosagem de anticorpos no soro de pacientes infectados pelo S. mansoni antes e após 6, 8 e 10 meses da terapêutica com praziquantel. Os dois testes diagnósticos foram realizados em 38 indivíduos saudáveis e 38 indivíduos infectados por S. mansoni de áreas endêmicas e 29 indivíduos saudáveis de áreas não endêmicas. Dois examinadores realizaram a contagem de ovos nas fezes de todos os indivíduos sendo obtido o numero de ovos por grama de fezes (Opg). Para o ELISA foi utilizado antígeno de verme adulto (AVA) de S. mansoni. Ambos os testes foram realizados antes do tratamento em todos os indivíduos e três vezes após o tratamento nos indivíduos infectados. O teste t-Student ou ANOVA para dados pareados foram usados para análise estatística dos grupos, e para testar as diferenças encontradas pelo ANOVA foi aplicado o Least Significant Difference (LSD). Todas as conclusões foram baseadas no nível de significância de 5%. Comparado aos grupos controle, pacientes infectados revelaram níveis elevados de Opg e anticorpos IgG AVA-ELISA (p<0,001). Observou-se nos três intervalos pós-tratamento, diminuição nos níveis de IgG e nos valores de Opg (p<0,001) com contagens negativas de ovos a partir do 8º mês. No 10º mês pós-tratamento, os níveis de IgG encontrados no ELISA não diferenciaram significativamente dos valores dos grupos controle, ou seja, retornaram a valores considerados basais. A obtenção de valores nulos de Opg a partir do 8º mês e o declínio dos valores do ELISA aos valores do grupo controle no 10º mês demonstrou a eficácia do tratamento em zonas endêmicas e a utilidade do uso conjunto das duas técnicas como controle de cura
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6981
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Medicina Tropical

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1037_1.pdf1,01 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.