Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/696
Título: Acromia cutânea em serpentes Crotalus durissus cascavella mantidas em cativeiro
Autor(es): ARAÚJO, Lidiany de Souza
Palavras-chave: Serpente - Cascavel - Acromia; Cobra cascavel
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: de Souza Araújo, Lidiany; Camargo Guarnieri, Míriam. Acromia cutânea em serpentes Crotalus durissus cascavella mantidas em cativeiro. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Serpentes mantidas em cativeiro estão susceptíveis a diversas alterações cutâneas, incluindo descoloração das escamas devido a múltiplos fatores. O presente trabalho se propôs analisar a pele de 15 serpentes da subespécie Crotalus durissus cascavella mantidas em cativeiro na UFPE durante 31 meses, investigar a possibilidade de contaminação bacteriológica desses animais, bem como comparar ultraestruturalmente as referidas lesões com escamas pretas, brancas e marrons de espécimes saudáveis. Dentre os 15 animais experimentais, sete já apresentavam lesões acrômicas cutâneas no início do estudo, as quais foram primeiramente visualizadas em cativeiro. Tanto as amostras de sangue quanto às de pele foram submetidas aos procedimentos de investigação bacteriológica e análise em microscopia eletrônica de transmissão, respectivamente. Ao final da análise, o número de serpentes enfermas aumentou de forma linear, atingindo 14 animais; enquanto o número de lesões do plantel aumentou exponencialmente (618%). A maioria das lesões foi observada no dorso da região rostro-cloacal das serpentes, surgindo em média com 0,45 cm² e alcançando 20,70 cm². As lesões cutâneas em sua fase inicial apresentaram-se discrômicas, originando-se na borda e entre as escamas e se expandindo horizontalmente, principalmente, na região dorsal. Os resultados das análises do soro das serpentes descartaram a possibilidade de contaminação por bactérias do gênero Treponema. Os resultados ultraestruturais das escamas controles evidenciaram diferenças no perfil epidérmico-dérmico de acordo com a coloração das mesmas, variação na densidade de melanóforos e a presença de guanóforos restritos a derme nas escamas marrom e branca. Nas escamas acrômicas observou-se desarranjo nas células da epiderme, destruição nuclear progressiva dos melanócitos epidérmicos e dérmicos, a presença de corpúsculos de inclusão intranucleares semelhantes a colônias virais e diversas partículas intranucleares e intracitoplasmáticas em células epidérmicas anucleadas. Os resultados revelam um processo crônico de despigmentação, semelhante ao vitiligo, que pode ter sido causado por um agente viral
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/696
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia Animal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1763_1.pdf7,06 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.