Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6853
Título: Expressão do gene L1 de papilomavírus humano tipos 18 e 33 em levedura Pichia pastoris
Autor(es): CAMPOS, Júlia Furtado
Palavras-chave: Vacina profilática; Câncer cervical; Papilomavírus humano
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Furtado Campos, Júlia; Carlos de Freitas, Antonio. Expressão do gene L1 de papilomavírus humano tipos 18 e 33 em levedura Pichia pastoris. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Genética, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: A prevalência dos tipos de papilomavírus (HPV) relacionados ao câncer cervical apresenta variações geográficas. Em todo o mundo, o HPV 16 é mais freqüente nos casos de câncer cervical, seguido do tipo 18. No Brasil, apesar de o HPV 16 ser o tipo predominante, existem variações regionais importantes com relação a outros tipos. O HPV 18 é o segundo tipo mais freqüente nas regiões Norte, Sudeste e Sul, entretanto, no Nordeste e Centro-Oeste, há uma maior prevalência dos HPVs 31 e 33, depois do HPV 16. Uma atenção especial é necessária aos tipos de HPV mais relevantes em determinadas regiões, permitindo a inclusão dessas vacinas em um amplo e efetivo programa de vacinação. Devido ao custo proibitivo em países em desenvolvimento das vacinas disponíveis até então, assim como à variação na distribuição dos tipos de HPV, este trabalho teve como objetivo a expressão do gene L1 de papilomavírus humano tipos 18 e 33 em levedura Pichia pastoris. Os genes L1 foram amplificados através de PCR com enzima de alta fidelidade e clonados no vetor de expressão pPICZA. Pichia pastoris foi transformada com as construções pPICZL1H18 e pPICZL1H33 e os clones recombinantes selecionados por resistência à Zeocina. A integração dos genes foi confirmada por PCR de colônia com os primers AOX1 e os clones transcrevendo RNAm de L1 foram analisados quanto à produção da proteína. Os lisados celulares foram usados em ensaios de dot blot com os anticorpos anti-L1 e anti-His. Todas as amostras testadas apresentaram resultado positivo, indicando expressão da proteína L1. Entretanto, nas condições utilizadas, o rendimento da produção da proteína L1 de HPV foi abaixo do esperado. A otimização em diversas etapas do processo (o uso de genes sintéticos otimizados, por exemplo) deverá mostrar-se uma solução para a utilização do sistema de células de P. pastoris para a expressão heteróloga da proteína L1
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6853
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Genética

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo791_1.pdf2,41 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.