Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6733
Título: Avaliação da agenda 21 da bacia hidrográfica do Rio Pirapama.
Autor(es): Maria Cardoso de Freitas Gama, Ana
Palavras-chave: Desenvolvimento Sustentável; Indicadores de Sustentabilidade; Agenda 21; Agenda 21Pirapama; Comitê de Bacia Hidrográfica, Territorialidade; Bacia Hidrográfica; Políticas Públicas
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Maria Cardoso de Freitas Gama, Ana; do Carmo Martins Sobral, Maria. Avaliação da agenda 21 da bacia hidrográfica do Rio Pirapama.. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Gestão e Políticas Ambientais, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: Esta dissertação busca promover uma avaliação do processo de implementação da Agenda 21 Local da Bacia Hidrográfica do Rio Pirapama Pernambuco/Brasil, no sentido de conhecer a sua efetividade, os impactos na sustentabilidade ambiental da Bacia e a percepção dos principais atores em relação à atuação do Comitê da Bacia, enquanto Fórum da Agenda 21 Pirapama. Contém um levantamento da evolução do processo para resolução de problemas ambientais, inicialmente visto de forma apenas local e em função de atitudes individuais, até abranger as dimensões sociais, políticas e culturais, com soluções de caráter planetário, a partir de uma re-leitura do cuidado com a natureza para a sobrevivência de todos os seres vivos. Faz uma retrospectiva da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente Humano, em Estocolmo, em 1972, perpassando pela Eco-92, no Rio de Janeiro, e a Rio +10, em Joanesburgo na África em 2002. Mostra o papel da sociedade civil como sujeito e agente das mudanças necessárias ao desenvolvimento sustentável e do processo do seu empoderamento. Define indicadores de sustentabilidade para a Agenda 21 Pirapama e a partir desses indicadores, apresenta os avanços e desafios a serem atingidos. Consta da percepção e das recomendações dos principais atores da Bacia para a continuidade das ações e o fortalecimento do Comitê. Aponta, como principal estratégia de sustentabilidade, uma forte articulação política, para a implementação da cobrança pelo uso da água e a criação da Agência da Bacia
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6733
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Gestão e Políticas Ambientais

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8307_1.pdf838,68 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.