Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6725
Title: Estudo fitofisionômico por classes de solos na Estação Ecológica de Xingó
Authors: Luiz da Silva Santos, André
Keywords: Fitofisionomia; Solos; Caatinga; Xingó
Issue Date: 2003
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Luiz da Silva Santos, André; Cristina Gonçalves Pereira, Eugênia. Estudo fitofisionômico por classes de solos na Estação Ecológica de Xingó. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Abstract: A paisagem é resposta às condições climáticas presentes e pretéritas, que resultam nas diversas formas de relevo, diferentes tipos de solo e vegetação. Partindo deste princípio, este trabalho teve como objetivo analisar a fitofisionomia de áreas com distintas unidades pedológicas da Estação Ecológica de Xingó. Para se atender a este fim buscou-se estudar o Bioclima como Agente Modelador das Pedopaisagens , a Classificação da Paisagem Segundo Componentes Geológicos e Climáticos e, por fim, o Estudo Fitofisionômico por Classes de Solos . Os três aspectos da pesquisa, embora separados por questões metodológicas, na realidade conformam um só projeto. A Estação Ecológica de Xingó, cuja área abrange parte dos Estados de Alagoas (Delmiro Gouveia e Olho d Água do Casado), Sergipe (Canindé do São Francisco) e Bahia (Paulo Afonso), está sob as coordenadas 09º 25 00 a 09º 40 00 S e 37º 45 00 a 38º 05 00 WGr., totalizando cerca de 9.500 ha. O estudo do bioclima foi realizado mediante o levantamento dos dados climatológicos existentes. A ausência de estações meteorológicas na Unidade de Conservação conduziu ao uso do modelo de equação de regressão linear, para cálculo da temperatura média. Para isto, utilizaram-se informações de altitude, latitude e longitude dos postos pluviométricos existentes nos municípios circunvizinhos, bem como nos que compõem a Estação Ecológica de Xingó, para estimar a temperatura média anual e mensal. Com os dados obtidos, utilizando o método da interpolação, efetuou-se o delineamento de isolinhas, as quais permitiram a elaboração do mapa bioclimático. Os resultados tornaram possível estabelecer uma relação entre as pedopaisagens e o bioclima. O momento seguinte constou da classificação da paisagem. Os elementos investigados, com o intuito de conhecê-la, foram os geológicos (tectônica e litologia), o relevo e os solos. A compatimentação geomorfológica foi a metodologia adotada a fim de individualizar espaços visando caracterizá-los, enquanto unidades geoambientais dotadas de litologia, relevo e solos distintos. Por fim, em um terceiro e último momento, realizou-se o estudo fitofisionômico por classes de solos. Estas foram delimitadas a partir dos elementos fornecidos nas etapas anteriores da pesquisa. Daí a possibilidade de correlacioná-los com os demais fatores físicos do ambiente. Nesta etapa introduziu-se o elemento biótico vegetação e, por meio da delimitação de parcelas em classes pedológicas distintas, chegou-se à constatação da sua variação. Embora possuam características físicas semelhantes, mediante análises laboratoriais, os solos revelaram-se bastante distintos quanto aos seus teores químico-pedológicos. Estes resultados, acrescidos da quantificação dos indivíduos lenhosos nas unidades amostrais, permitiram explicar a variação de espécies responsáveis pela distinção na composição fisionômica da vegetação
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6725
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo6807_1.pdf2.4 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.