Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6479
Title: Intelecto e pessoa: problema da individuação em Santo Tomás
Authors: Modesto Benvinda, Nalfran
Keywords: Doutrina do Intelecto; Pessoa; Antropologia Tomista
Issue Date: 2004
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Modesto Benvinda, Nalfran; Vázquez Torres, Jesús. Intelecto e pessoa: problema da individuação em Santo Tomás. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Abstract: Esta dissertação tem o intuito de mostrar a partir do pensamento de Tomás de Aquino que o intelecto é fundamento do pensar e do querer do homem individual. O ponto de apoio e investigação em busca do nosso objetivo será um texto, o De unitate intellectus contra averroístas, que nosso autor escreve para refutar duas teses do pensamento averroísta, a saber, a de que o intelecto possível é uma substância separada, sendo assim extrínseco aos elementos constitutivos do ser do homem e a tese de que o intelecto é único para todos os homens. A posição de Tomás vai de contra as teses averroístas a partir de um dado da experiência: esse homem singular pensa [Hic homo singularis intelligit]. Nesse sentido, Tomás, a partir de Aristóteles, faz toda uma fundamentação de que o intelecto não é separado ao modo como os averroístas propunham, como também, que o intelecto é múltiplo, sendo numericamente dividido entre os homens. É a partir da atitude de Tomás que nos posicionamos dizendo que, a partir de suas teses, temos resguardado o pensar e o querer do homem individual, isto é, da pessoa humana. Tendo em vista que nossa questão figura no horizonte da antropologia tomista, questionando em torno de qualidades fundamentais do homem individual, percorremos um caminho no sentido de aprofundar a antropologia tomista, estabelecendo sua vinculação com o pensamento sobre o homem em Aristóteles; compreender o problema da individuação em nosso autor; desenvolver a noção de pessoa até atingir nossa questão central, quando explicitamos a posição de Tomás diante das teses averroístas. Em suma, nosso autor conclui que é apenas admitindo que o intelecto é faculdade da alma, que é forma do corpo e que é numericamente dividido entre os homens, sendo um para cada homem, que podemos resguardar o pensamento e a liberdade à pessoa. Nosso autor conclui que, não sendo assim, ficamos destituídos de condições básicas para se fundamentar uma moral, que tem na sua base a própria liberdade humana
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6479
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo875_1.pdf504.57 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.