Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6427
Title: Ativismo de bairro e participação popular na conquista do espaço do cidadão : uma experiência a partir do Coque Recife/PE
Authors: Virgínia Ferraz de Oliveira, Débora
Keywords: Lugar Coque; Participação popular; Espaço do cidadão; Ativismo de bairro
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Virgínia Ferraz de Oliveira, Débora; Jorge Moura de Castilho, Claudio. Ativismo de bairro e participação popular na conquista do espaço do cidadão : uma experiência a partir do Coque Recife/PE. 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: A produção do espaço se realiza através da tensão entre os diferentes atores sociais, portanto, faz-se necessário que os movimentos sociais tornem-se instrumentos de transformação desse espaço, visando algo mais. É nesse sentido que caminha o presente trabalho. Acredita-se que as mudanças na apropriação do espaço dar-se-ão através da transformação dos ativismos em movimentos sociais a partir de um caráter mais amplo das ações, que agrupem lutas permanentes das populações pobres. O papel atual dos movimentos sociais no processo de construção de territórios e de lugares, como espaços da cidadania que lhes garantam a participação concreta na gestão da cidade, de forma alternativa, caracteriza um ponto central nesta discussão. É importante salientar que este é um trabalho que visa à (re)valorização do papel importante desempenhado pelos movimentos sociais, no caso, o ativismo de bairro, na organização do espaço urbano recifense, bem como, a análise do comportamento e da organização das populações pobres no processo permanente de conquistas do "espaço do cidadão , destacando o que já se tem feito no sentido da produção de um espaço urbano mais justo. Buscou-se a inspiração através da experiência do Coque, comunidade pobre da cidade do Recife, que está no cerne desta reflexão por se tratar de um lugar que se solidificou num processo histórico das lutas urbanas do Recife, passando por várias fases da organização social. Outro ponto que nos chama a atenção na experiência do Coque são os inúmeros projetos existentes naquele lugar, de iniciativa da própria população, junto a uma rede de amigos ou formalmente chamada de rede de promoção social , significando o outro lado da moeda que chamamos de contra-discurso frente ao ativismo popular institucionalizado pelo poder publico a partir de mecanismos legais de participação. Tal projeto inclui a universidade, entidades educativas e outras comunidades, sob a égide da apropriação do direito à cidade e da cidadania. Ainda, no bojo da pesquisa, a discussão sobre a relação existente entre o poder público e o movimento se dá a partir do ideário da participação popular, através da utilização de um mecanismo legal de participação, o Orçamento Participativo, uma vez que este constitui uma experiência em que nas relações de poder, a organização do território é constitutiva do processo de organização sócio-espacial responsável pelo formato da organização popular nos bairros que se tem hoje, em maior expressão na cidade. Do ponto de vista da metodologia, este trabalho foi realizado a partir de dois momentos: o primeiro momento se deu através de embasamento e discussão teórico conceitual sobre os conceitos de espaço do cidadão , Movimentos Sociais e sua delimitação para as abordagens da escala conceitual de ativismo de bairro e ativismo a partir do bairro , e Identidade territorial , por esta se tratar de uma discussão valorizada pelo ponto de vista geográfico. O outro momento que remete a metodologia foi elaborado a partir dos trabalhos de campo, que se dividiu a partir da delimitação dos espaços a serem explorados: o espaço de participação popular elaborado pela prefeitura, e o Coque. Identificaram-se no Coque, algumas conquistas a partir de alguns objetos concretos como calçamento de ruas, construção de postos de saúde, escolas. Objetos pontuais que remetem às necessidades básicas do cotidiano tantos do morador do coque com o da maioria da população pobre do Recife. Estas conquistas (re)significam à população local, o que se poderia chamar de pequenos ganhos. Embora essas conquistas sejam imediatistas e pontuais, poder-se-ia ter-las como base, ponto de partida à construção do espaço do cidadão
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6427
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Geografia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo474_1.pdf3.45 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.