Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6417
Título: Mamíferos do pleistoceno superior de Afrânio, Pernambuco, nordeste do Brasil
Autor(es): Marinho da Silva, Fabiana
Palavras-chave: Pernambuco; Afrânio; Geocronologia; Tafonomia; Taxonomia; Mamíferos pleistocênicos
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Marinho da Silva, Fabiana; Magnólia Franca Barreto, Alcina. Mamíferos do pleistoceno superior de Afrânio, Pernambuco, nordeste do Brasil. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Foram estudados aspectos taxonômicos e tafonômicos de paleofauna inédita de mamíferos pleistocênicos, preservados nas lagoas Caveira, Tanque e Comprida, bacia do riacho Caboclo, tributário do rio São Francisco em Afrânio, Pernambuco. O trabalho envolveu levantamentos bibliográfico e cartográfico, trabalhos de campo e laboratoriais. Mais de 1.200 ossos póscranianos, dentes e osteodermos foram estudados, parte foi incorporada à coleção científica do Departamento de Geologia da Universidade Federal de Pernambuco (DGEO-CTG-UFPE). Foram escavadas cinco trincheiras nas lagoas Caveira, Tanque e Comprida, que mostraram até cinco fases de preenchimento sedimentar siliciclástico, sendo, nas lagoas Tanque e Caveira observou-se uma camada com concentração de ossos, moderadamente empacotados, formando um conglomerado com cimento calcífero. A associação fossilífera é monotípica, poliespecífica com os graus de fragmentação e desgaste variando em quatro classes, indicando que houve transporte hidráulico após a morte. Os ossos foram preservados por conservação da composição química original, permineralização e substituição por calcita e por calcita magnesiana. Foi identificada uma diversificada fauna distribuída em cinco ordens Tardigrada, Cingulata, Notoungulata, Proboscidea e Perissodactyla, sete famílias Megatheriidae, Mylodontidae, Gomphotheriidae, Equidae, Dasypodidae, Glyptodontidae e Toxodontidae, com os taxa: Eremotherium laurillardi, Mylodonopsis ibseni, Panochthus greslebini, Holmesina paulacoutoi, Hoplophorus euphractus, Stegomastodon waringi, Toxodon platensis, equídeo indeterminado e aff. Glyptodon . Os restos mais numerosos foram de Panochthus. É registrado pela primeira vez no estado os gêneros Hoplophorus e Mylodonopsis. A paleofauna é exclusivamente herbívora, de um paleoambiente de savana ou cerrado, áreas de vegetação arbustiva e arbórea esparsa, em contraste com a atual caatinga hiperxerófila. Através da datação por luminescência oticamente estimulada (LOE) de sedimentos depositados em camadas acima dos fósseis, estimou-se uma idade mais antiga do que 11.300±2.000 anos para última fase de ocupação da megafauna na região
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6417
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4954_1.pdf9,44 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.