Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6190
Título: Uso da terra e relações de dependência com o ambiente nas planícies fluviais da sub-bacia do rio Cangati-CE
Autor(es): Lucia Brito da Cruz, Maria
Palavras-chave: Rio Cangati;Planícies Fluviais;Recursos Naturais
Data do documento: 31-Jan-2010
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Lucia Brito da Cruz, Maria; Cristina Gonçalves Pereira, Eugênia. Uso da terra e relações de dependência com o ambiente nas planícies fluviais da sub-bacia do rio Cangati-CE. 2010. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Resumo: Neste trabalho busca-se analisar e avaliar a sub-bacia do rio Cangati - CE, de forma a identificar e mapear a sua capacidade de sustentabilidade quanto ao uso dos recursos naturais, caracterizar as potencialidades e limitações da utilização de suas planícies fluviais, definindo os limites das unidades de paisagens da área estudada, caracterizando seus componentes ambientais, avaliando o potencial de uso e o conflito quanto à aplicabilidade da legislação ambiental pertinente, identificando os impactos e os efeitos das ações antrópicas, avaliando as condições ecodinâmica da paisagem em função do balanço entre os processos morfogenético e pedogenéticos, bem como o estado atual de degradação/conservação dos solos, dos recursos hídricos e da cobertura vegetal em precisão compatível com a escala do mapeamento (1:100.000). A base teórico-metodológica apoiou-se na Teoria Geral dos Sistemas, com base na análise geossistêmica, a partir do levantamento de dados bibliográficos teóricos conceituais, geocartográficos fazendo uso dos dados de sensoriamento remoto tais como: ortofotocartas e imagens de satélite para geração e atualização de dados e empíricos associados com atividades in loco de reconhecimento da realidade dos aspectos fisiográficos e socioambientais da sub-bacia do rio Cangati, a partir dos quais, montou-se um banco de dados geográficos que proporcionou a geração de mapas, cálculos de áreas, gráficos e perfis. Os resultados estão dispostos em capítulos que tratam diretamente dos objetivos propostos permitindo concluir que as planícies fluviais ocorrem indistintamente, como feições azonais, ocupando faixas com larguras variadas do alto, médio ao baixo curso, nos diferentes setores dos compartimentos geomorfológicos do semiárido do Nordeste brasileiro. Constituem as faixas de acumulação aluvial das planícies nos baixos cursos d água. As aluviões são compostas de areias finas e médias, com cascalhos, siltes, argilas e eventuais ocorrências de matéria orgânica em decomposição. Apesar da intermitência sazonal dos rios que formam as suas respectivas planícies, é bom o potencial dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos. A drenagem imperfeita, ao lado do encharcamento excessivo de água durante a estação chuvosa, constitui os principais fatores limitantes ao uso em suas planícies. Ha predominância dos Planossolos ao longo das planícies, que são solos de rasos a medianamente profundos, têm drenagem imperfeita e são susceptíveis a encharcamentos sazonais e à erosão. Têm de baixa a média condições de fertilidade natural e problemas de salinização, constituindo um dos fatores de impacto no uso excessivo da área. As planícies fluviais são ambientes típicos das matas ciliares, onde a carnaúba (Copernicia prunifera) é a espécie mais frequente, associando-se a outras plantas de porte arbóreo e herbáceas. Constata-se que, o desmatamento e a ocupação das margens, a expansão do uso em direção às nascentes, vem promovendo a desqualificação ambiental do na área da sub-bacia em especial aos aspectos dos recursos hídricos considerando o ambiente do semi-árido brasileiro. Dessa forma, representa as perdas de suas características ambientais, as quais dizem respeito, principalmente a sua contribuição com o abastecimento hídrico. A ausência de políticas públicas na área que favoreça a retenção de água no período de chuvas minimizando as perdas controlando os extremos com as cheias e secas possibilitando melhores condições de vida para a população local. Foi possível, portanto, concluir da importância da pesquisa na área da sub-bacia do rio Cangati por se tratar de habitat natural e uma unidade de planejamento que permitiu à identificação dos níveis de dependência socioambientais, os conflitos do uso (e sua ilegalidade) estabelecidos pela legislação ambiental conforme resolução do CONAMA 303, que define como Área de Proteção Permanente (APP), objeto e proposição de tese na caracterização da dependência e proposta de mudanças na legislação ambiental pertinente, no sentido de que esta deve considerar as particularidades regionais na sua aplicabilidade, tornando-se possíveis a conservação da natureza e a manutenção das diferentes formas de sobrevivência dos habitantes do semiárido brasileiro
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6190
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Geografia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo6542_1.pdf2,66 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.