Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6186
Title: A Utopia do Sujeito nos Manuscritos Econômico-Filosóficos: um estudo sobre a dialética marxiana da subjetividade
Authors: da Silva Miranda, Gutemberg
Keywords: Utopia;Marxismo;Dialética;Materialismo;Ser social;Jovem Marx;Materialismo histórico;Proletariado;Comunismo
Issue Date: 2007
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: da Silva Miranda, Gutemberg; Jader de Magalhães Melo, Fernando. A Utopia do Sujeito nos Manuscritos Econômico-Filosóficos: um estudo sobre a dialética marxiana da subjetividade. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Abstract: O panorama político-social da primeira metade do século XIX, fora suficiente para Marx perceber que, enquanto a reflexão acerca da essência humana estivesse dissociada da ciência, não haveria solução para a dominação da mercadoria sobre seus verdadeiros produtores, quer dizer, sobre o proletariado. A partir daí, deduzimos uma utopia marxiana do sujeito, decorrente do fato de que o homem ainda não efetivou sua essência na prática, e que tal constatação, ao invés de nos desanimar, deveria servir de fundamento para que os indivíduos venham a se tornar sujeitos de sua própria história. Não se limitando a verificar que o capitalismo inverte a essência humana, Marx aponta a realidade prática, humanamente constituída, como a única saída para o caos que representa o sistema capitalista de produção. Nossa essência não estaria num além idealizado, nem tampouco, num eu abstrato, mas na realidade concreta em que fora subtraída de nossa existência. O tema do sujeito no pensamento marxiano parece, dessa forma, se revestir de um caráter paradoxal, uma vez que não pode ser compreendido distante da problemática da utopia. A utopia do sujeito seria uma suspensão de juízo em torno da subjetividade metafísica, ou a confirmação desta última? O aparente enigma parece acirrar-se à medida que são apresentadas outras questões: a crítica de Marx à utopia acabaria negando consequentemente o sujeito, ou confirmaria sua existência nos limites da atual realidade? A crítica da utopia serviria para confirmar a existência do sujeito ou para decretar sua impossibilidade? Estas questões foram levantadas por diversos pensadores, e demandam grande complexidade teórica. O escopo de nossa pesquisa consiste em perceber os diversos posicionamentos acerca da problemática do sujeito no pensamento de Marx, procurando desenvolver uma interpretação crítica e, ao mesmo tempo, consciente das dificuldades inerentes ao tema pesquisado. Quanto mais o sujeito idealista pretendia ser um eu absoluto, mais se desligava da realidade. Diferentemente, ao compreendermos o sujeito enquanto um eu descentrado, uma utopia a ser realizada historicamente por meio da práxis, maiores são as possibilidade de nos aproximamos de sua efetivação, enquanto um ser social e histórico, cuja realização transcorreria no sentido inverso do estranhamento que oblitera os caminhos de uma verdadeira apropriação humana de sua essência
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6186
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo6744_1.pdf621.12 kBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.