Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6111
Title: Estudo dos Ostracoides não-marinho do Andar Alagoas , nas bacias do Araripe, Cedro, Jatabá e Sergipe / Alagoas, Nordeste do Brasil
Authors: Emilia Travassos Rios Tomé, Maria
Keywords: Geociências; Geologia sedimentar; Geologia ambiental; Ostracodes; Andar Alagoas; Nordeste do Brasil
Issue Date: 31-Jan-2011
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Emilia Travassos Rios Tomé, Maria; Ferreira de Lima Filho, Mário. Estudo dos Ostracoides não-marinho do Andar Alagoas , nas bacias do Araripe, Cedro, Jatabá e Sergipe / Alagoas, Nordeste do Brasil. 2011. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Abstract: O estudo dos ostracodes límnicos do Andar Alagoas do Nordeste do Brasil, nas bacias do Jatobá, Araripe e Cedro, permitiu identificar 12 espécies de ostracodes compreendidas em nove gêneros. Compondo o maior número de espécies e gêneros, a superfamília Cypridoidea é representada pelas espécies: Cypridea araripensis; Neuquenocypris berthoui; Damonella ultima; Ilyocypris sp.; Rhinocypris sp.; Rhinocypris aff. R. jurassica; Rhinocypris aff. R. diademae; Pattersoncypris micropapillosa; Pattersoncypris angulata; Pattersoncypris salitrensis, além de duas espécies novas, descritas no presente trabalho, a Damonella. nov. sp. e a Candonopsis nov. sp. representando as únicas espécies pertencentes as superfamílias Cytheroidea e Darwinuloidea, observou-se as ocorrências do Theriosynoecum silvai e da Alicenula leguminella respectivamente. A partir da diversidade e abundância das espécies, assim como das associações faunísticas, foi possível identificar variações no nível do lago e associar ao respectivo trato do sistema lacustre. A utilização dos conceitos do modelo de Anderson (1985) de Ciclofauna, que tem como base o reconhecimento das fases C e S, fundamentou o reconhecimento desses tratos. Mudanças na morfologia da carapaça das espécies D. ultima, P. angulata e P. micropapillosa foram atribuídas a polifenismo, cujo principal fator esta relacionado a salinidade .As variações na composição da química da água observada no sistema lacustre do referido andar, leva à extinção ou proliferação de algumas espécies, a partir disso foi possível observar que as espécies com ocorrência na Bacia do Jatobá são mais sensíveis a variação de salinidade, enquanto as observadas nas bacias do Araripe, Cedro e Sergipe/Alagoas viveram em águas salobras que evoluíram para marinho restrito. Com relação à análise bioestratigráfica, avanços foram estabelecidos no presente trabalho. A partir dos estudos taxonômicos realizados nas amostras provenientes da Bacia do Jatobá, foi possível identificar o intervalo correspondente ao Alagoas Inferior, logo o presente estudo apresenta o único registro de tal intervalo nas bacias interiores do Nordeste do Brasil. Apesar das três bacias estudadas possuírem contextos tectônicos distintos, a proposta de um subzoneamento para a Biozona O11 mostra coerência com a evolução geotectônica
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6111
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Geociências

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo2514_1.pdf9.29 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.