Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6093
Title: Dívida ecológica como subproduto do paradigma desenvolvimentista
Authors: Marques Cavalcante de Souza, Caroline
Keywords: Dívida ecológica; Desenvolvimentismo; Sustentabilidade
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Marques Cavalcante de Souza, Caroline; Regia Fernandes Gehlen, Victoria. Dívida ecológica como subproduto do paradigma desenvolvimentista. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Gestão e Políticas Ambientais, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: Ao longo dos anos o desenvolvimento tem sido o foco de governos, empresas e comunidades, justificando-se inclusive que as desigualdades sociais seriam minimizadas a partir da melhoria econômica mundial de uma forma integrada. O maior contato entre as nações, possibilitados pela globalização e pelas novas tecnologias intensificaram tal processo. Entretanto, tal ideal tem se mostrado benéfico apenas para um pequeno grupo de países desenvolvidos, enquanto ocasiona maior dependência e problemas sócio-ambientais para os subdesenvolvidos e em desenvolvimento. O presente estudo tem como finalidade analisar a relação entre o paradigma desenvolvimentista atual e os impactos sócio-ambientais provenientes desta interação, aqui especificados como dívida ecológica. Para tal inicialmente foi feita uma reflexão sobre termos importantes para a compreensão deste trabalho, iniciando-se com a análise do conceito de desenvolvimento, utilizando para tal estudo autores como Dupas (2006), Veiga (2006), Escobar (1993), Souza (2007), Young e Lustosa (2003), Capra (2002), Cruz (2001), entre outros. A seguir analisou-se os termos meio ambiente e desenvolvimento sustentável, bem como a evolução de tais termos ao longo dos tempos. Como embasamento para esta etapa foram pesquisados os autores Glacken (1996), Foladori (2001), Morin e Kern (2003), Gonçalves (2001), Bellen (2007), Leff (2001), Lenzi (2001), Sachs (2002), entre outros. Por fim foi feita uma pesquisa para contextualizar o termo dívida ecológica, tendo como fundamento os estudos de Alier (2007), Alier e Oliveras (2003), Cerdá (2005), Leff (2001) e Gonçalves (2004) e Balanyá et al. (2002). Para atender ao objetivo de debater a dívida como subproduto do paradigma desenvolvimentista optou-se tomar como exemplo a Vila de Porto de Galinhas, em Pernambuco, área que tem sido foco de grandes investimentos e atenção para o desenvolvimento por seu potencial turístico. Tal pesquisa foi dividido em três diferentes partes, denominadas evidências : a primeira teve como objetivo analisar reportagens sobre o local, mostrando o papel da mídia na disseminação de ideais; a segunda, buscou identificar pontos que demonstram impactos sócio-ambientais na área; e finalmente a terceira, realizada junto à comunidade que trabalha com o turismo no distrito de Porto de Galinhas buscando verificar a sua percepção em relação a aspectos positivos e negativos da atividade. Como resultado verificou-se a ênfase exacerbada dada ao crescimento econômico, em detrimento a questões cruciais como meio ambiente e bem-estar da comunidade pesquisada. Constatou-se assim que os interesses do capital globalizado e das leis de mercado são preponderantes, gerando assim uma dívida ecológica no local explorado. Tal análise, que dá início a reflexões acerca da dívida ecológica e seus desdobramentos, tem como intenção possibilitar o estímulo ao aprofundamento do tema, bem como a criação de normas que venham a regular as atividades econômicas desenvolvidas no litoral pernambucano, evitando ou minimizando assim os impactos a elas inerentes
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6093
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Gestão e Políticas Ambientais

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo2510_1.pdf2.46 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.