Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6011
Título: Os amonóides da Bacia da Paraíba: implicações cronoestratigráficas, paleoecológicas e paleobiogeográficas
Autor(es): da Conceição Santos Sobral, Anderson
Palavras-chave: Cephalopoda;Formação Gramame;Formação Itamaracá;Cretáceo Superior
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: da Conceição Santos Sobral, Anderson; Magnólia Franca Barreto, Alcina. Os amonóides da Bacia da Paraíba: implicações cronoestratigráficas, paleoecológicas e paleobiogeográficas. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geociências, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: A Bacia da Paraíba desempenha um papel importante para elucidar a história do Atlântico Sul, uma vez que, integra o sistema de bacias marginais do leste sul-americano e foi à última porção a se separar durante fragmentação do Gondwana. O presente trabalho tem como objetivo o estudo dos amonóides da Bacia da Paraíba sob aspectos cronoestratigráficos, paleobiogeográficos e paleoecológicos. A metodologia empregada durante a realização da pesquisa foi divida nas seguintes etapas: levantamento do acervo paleontológico da coleção científica do DGEO-CTG-UFPE; trabalhos em laboratório, para preparação, identificação, classificação e catalogação do material; revisão taxonômica dos amonóides da bacia. Foram registradas para a formação quatro ordens de amonóides típicas do Cretáceo, sete gêneros e nove espécies: PHYLLOCERATINA Hypophylloceras (Neophylloceras) surya Forbes, 1846; LYTOCERATINA, Gaudryceras varicostatum van Hoepen, 1921; AMMONITINA, Hauericeras Grossouvre, 1894, Pachydiscus (Pachydiscus) jacquoti Seunes, 1890; Pachydiscus (Pachydiscus) neubergicus von Hauer, 1858; Sphenodiscus lobatus Tuomey, 1854; ANCYLOCERATINA, Axonoceras cf. compressum Stephenson, 1941; Axonoceras pingue Stephenson ?; Diplomoceras cylindraceum Defrance, 1816. Os amonóides da Bacia da Paraíba apresentam idades que vão do Campaniano superior ao Maastrichtiano. A espécie Pachydiscus (Pachydiscus) neubergicus é registrada pela primeira vez para a bacia. A paleofauna estudada apresenta freqüência que varia entre comum e raro, indica ambiente nerítico profundo de plataforma continental entre 100 e 200m para a bacia e 60% são cosmopolitas sendo registradas em todas as paleoprovíncias, apresenta também uma maior relação com a fauna sul americana e tetiana
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/6011
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Geociências

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo2389_1.pdf2,77 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.