Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/5779
Título: Crescimento econômico e consumo de energia : uma abordagem econométrica com séries temporais para a economia brasileira no período de 1970-2000
Autor(es): Luz, Helenilka Pereira Barboza da
Palavras-chave: Pib; Consumo de energia; Séries temporais
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Pereira Barboza da Luz, Helenilka; de Sousa Ramos, Francisco. Crescimento econômico e consumo de energia : uma abordagem econométrica com séries temporais para a economia brasileira no período de 1970-2000. 2003. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: Neste trabalho é investigada através de um modelo econométrico a relação causal entre crescimento econômico e consumo de energia sob a hipótese de não estacionariedade das séries temporais. A fim de testar a causalidade de Granger na presença de cointegração entre as variáveis foi aplicado o modelo do vetor de correção de erros. Os resultados empíricos do modelo para o período de 1970-2000 sugerem a presença de causalidade unidirecional do PIB para o consumo de energia no curto prazo e causalidade bidirecional no longo prazo. Os resultados obtidos demonstram que o crescimento do PIB está fortemente ligado ao crescimento do consumo de energia e que retrações econômicas podem reduzir sua evolução no curto e no longo prazo. Por outro lado, uma política de conservação de energia muito restritiva teria efeitos deletérios sobre o crescimento econômico
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/5779
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Engenharia de Produção

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo7351_1.pdf575,04 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.