Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/562
Título: Fenologia e relações abelhas/plantas em uma comunidade de Mata Serrana(Brejo de Altitude) no Nordeste do Brasil
Autor(es): Márcia Locatelli de Souza, Evelise
Palavras-chave: Fenologia;Árvores;Floresta tropical;Síndromes de dispersão;Brejos de Altitude;Nordeste do Brasil
Data do documento: 2003
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Márcia Locatelli de Souza, Evelise; Cristina Sobreira Machado, Isabel. Fenologia e relações abelhas/plantas em uma comunidade de Mata Serrana(Brejo de Altitude) no Nordeste do Brasil. 2003. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2003.
Resumo: O trabalho foi desenvolvido no Parque Ecológico João Vasconcelos Sobrinho (PEJVS) (8°18 36 S, 36°00 00 W), situado a 12 Km do município de Caruaru/PE, Agreste de Pernambuco. Neste trabalho objetivou-se conhecer os padrões fenológicos de representantes da flora de Brejos de Altitude e sua relação com fatores abióticos e bióticos. Foram observadas as fenofases de brotamento, queda de folhas, floração e frutificação em 58 espécies arbóreas de 34 famílias e 51 gêneros. As coletas e observações fenológicas foram realizadas em intervalos quinzenais, no período de maio de 1998 a maio de 2001. Das 58 espécies acompanhadas na área de estudo, 57% perderam folhas entre outubrodezembro (período seco); o fluxo de produção de folhas novas ocorreu moderadamente durante todo o ano, com maior produção iniciando em junho (período úmido), prolongando-se durante a estação seca, com o maior pico registrado entre outubro-novembro (59% das espécies). Observou-se 32 (60,37%) espécies semi-decíduas, 16 (30,18%) perenifólias e 5 (9,43%) decíduas. Foram observadas espécies florescendo e frutificando durante todo o ano. A partir de outubro e principalmente durante dezembro e janeiro, 75% das espécies estavam em flor. A estratégia de floração mais comum no Parque Ecológico Vasconcelos Sobrinho foi a "anual sazonal" encontrada em 24 espécies (53,3%), seguido por "anual breve" (explosiva) em 16 espécies (35,5%), "anual longa" em 4 espécies (8,8%) e a "contínua" que foi encontrada em apenas 1 espécie (2,2%). As espécies estudadas apresentam-se com flores, na sua maioria, por um período de 2 meses. O pico de frutificação sucedeu o de floração, com maior número de espécies com frutos em fevereiro-março. O padrão geral de frutificação foi sazonal. Quanto às estratégias de dispersão, as espécies zoocóricas representaram 66% do total, as anemocóricas 20,4% e as autocóricas 13,6%. As espécies estudadas no PEJVS apresentaram, uma visível periodicidade dos eventos fenológicos durante o ano. Esses padrões fenológicos acompanharam os eventos climáticos, evidenciando a influência dos fatores abióticos, principalmente da precipitação
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/562
Aparece na(s) coleção(ções):Teses de Doutorado - Biologia Vegetal

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4651_1.pdf1,03 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.