Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/495
Título: Fungos isolados de cultivos do camarão Litopenaeus vannamei Boone e caracterização quanto a produção de quitinase, protease e aflatoxina
Autor(es): Roberta Cruz da Silva, Lidiane
Palavras-chave: Litopenaeus vannamei;Fungos;Quitinase
Data do documento: 31-Jan-2009
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Roberta Cruz da Silva, Lidiane; Maria de Souza Motta, Cristina. Fungos isolados de cultivos do camarão Litopenaeus vannamei Boone e caracterização quanto a produção de quitinase, protease e aflatoxina. 2009. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Biologia de Fungos, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009.
Resumo: Na carcinicultura Litopenaeus vannamei é a espécie mais cultivada no Nordeste brasileiro. Os objetivos desta pesquisa foram avaliar a capacidade quitinolítica e proteolítica e produção de aflatoxinas por fungos isolados da água de viveiros e dos camarões L. vannamei cultivados em duas fazendas no Rio Grande do Norte, Brasil. Para o isolamento, amostras de água e do camarão foram plaqueadas em ágar Sabouraud acrescido de cloranfenicol contido em placas de Petri. Após 72 horas, as colônias foram transferidas para meios de cultura específicos para identificação. Foram obtidos 146 isolados, pertencentes a 46 espécies. Os gêneros mais representativos foram Aspergillus e Penicillium, além de Phaeoannellomyces werneckii, Rhinocladiella aquaspersa, Syncephalastrum racemosum e outros fungos oportunistas. Foram avaliadas a capacidade quitinolítica, proteolítica e produção de aflatoxina B1. A maioria das espécies apresentou capacidade proteolítica. Dentre os substratos utilizados para detecção da capacidade em degradar quitina o que apresentou melhores resultados foi a carapaça de camarão adicionada de sais, sendo uma importante alternativa para selecionar fungos quitinolíticos. A. fumigatus, A. niveus, A. parasiticus, Penicillium lividum e S. racemosum foram excelentes decompositoras de quitina em meio líquido, liberando Nacetilglicosamina após 96h de fermentação, sendo indicadas para serem aplicadas em processos biotecnológicos. Dentre trinta e três isolados testados, vinte e um de A. flavus e três de A. parasiticus foram capazes de produzir aflatoxina B1, sendo todas procedentes da fazenda com sistema de cultivo inorgânico
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/495
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Biologia de Fungos

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo1701_1.pdf757,63 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.