Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4881
Título: Pensamento pedagógico de Otto Friedrich Bollnow diante da filosofia da existência e da filosofia da esperança
Autor(es): George Silva, Ezir
Palavras-chave: Filosofia da Existência; Filosofia da Esperança; Educação; Otto Friedrich Bollnow
Data do documento: 31-Jan-2011
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: George Silva, Ezir; Rörh, Ferndinand. Pensamento pedagógico de Otto Friedrich Bollnow diante da filosofia da existência e da filosofia da esperança. 2011. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.
Resumo: O pensamento pedagógico de Otto Friedrich Bollnow inscreve-se nos discursos e debates sobre Teoria Educacional e Filosofia. Sua investigação consiste em examinar a possível interação entre os fenômenos estáveis e instáveis das estruturas da vida e dos processos educativos, a partir dos pressupostos da Filosofia da Existência e da Filosofia da Esperança. À luz desse interesse, buscamos indagar: o princípio da continuidade é realmente a pressuposição necessária de toda e qualquer educação? A ideia dos processos descontínuos pode estar presente nas experiências educativas? É possível conceber uma prática pedagógica que possa articular os princípios da continuidade e da descontinuidade? Neste sentido, Bollnow procura descrever as limitações das concepções mecânico-artesanal e orgânica da educação, por compreender que elas representam as tendências que reconhecem o conceito de formabilidade como o princípio que caracteriza a educação, enquanto ato de produzir ou deixar crescer do educando, para atingir o fim que se encontra essencialmente nele ou que foi pretendido pelo educador. Este teórico busca analisar, ainda, as consequências da Filosofia da Existência para a Pedagogia, a partir dos problemas educacionais e da transformação da imagem problematizadora do homem, nos anos que antecederam, mediaram e sucederam as duas grandes guerras mundiais. Sua reflexão pretende destacar outras categorias que conseguem contemplar novas e duras experiências do homem a partir de si e sua realidade. Seu interesse não é descartar as formas de concepção pedagógica clássica, como se estas estivessem superadas, nem fundar uma pedagogia da existência, mas procurar tematizar processos educativos, que consigam superar a recíproca alienação entre a Pedagogia e o Existencialismo, visando seu inter-relacionamento. Refletimos e discutimos também, a partir de Bollnow, sobre a consciência dos limites teórico-antropológicos da Filosofia da Existência e da necessidade de alargar sua compreensão sobre o humano e o modo de conceber sua formação, a partir das contribuições da Filosofia da Esperança. Nesta perspectiva, a pesquisa teve como objetivo: investigar como o pensamento pedagógico de Bollnow se articula diante dos princípios da descontinuidade na Filosofia da Existência e da continuidade na Filosofia da Esperança. Do ponto de vista metodológico, optamos pela reflexão hermenêutico-ontológica, por compreendermos que a mesma está voltada para o tratamento interpretativo das informações e contribuições teóricas, à medida que visa desvelar as estruturas do desenvolvimento da existência do Ser e estabelecer uma íntima relação entre o sujeito pesquisador e sua pesquisa. A partir destas considerações, vimos que o diálogo entre as categorias da descontinuidade e da continuidade apontam para a construção de uma educação esperançosa, que encontra na confiança no Ser o fulcro de toda prática pedagógica que pretende a humanização dos homens em seus processos formativos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4881
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Educação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo8958_1.pdf945,9 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.