Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4495
Título: Investigando o desenvolvimento da linguagem no ambiente pedagógico da creche : o que falam as crianças do berçário?
Autor(es): Karla Gomes Ramos, Tacyana
Palavras-chave: Interação social;Desenvolvimento da linguagem;Educação Infantil;Estudos com bebês
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Karla Gomes Ramos, Tacyana; Isabel Patricio de Carvalho Pedrosa, Maria. Investigando o desenvolvimento da linguagem no ambiente pedagógico da creche : o que falam as crianças do berçário?. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: compartilha e constrói significados com parceiros, adultos ou crianças, e assimila, transforma e cria o meio sociocultural onde, gradativamente, se insere. Os estudos da criança explorando as emoções, o movimento, a imitação e as ações cooperativas coordenadas, como um sistema comunicativo, nos anos iniciais de vida, têm sido reveladores de uma gama de comportamentos que foram investigados nesse trabalho para uma melhor compreensão dos processos que conduzem à representação e à linguagem. Apoiando-se na perspectiva socioconstrutivista, buscou-se examinar a interação de crianças com seus coetâneos e com as educadoras de creche para apreender alguns aspectos qualitativos desses processos e suas implicações no desenvolvimento da linguagem infantil. Foram realizadas videogravações de crianças, com idades entre 06 e 20 meses e educadoras de duas creches da cidade de Recife, nos momentos da atividade pedagógica desenvolvida, durante três meses. Do material registrado foram recortados e analisados doze episódios interativos. Verificou-se que a atribuição e o compartilhamento de significados entre os sujeitos foram comunicados pelas crianças por meio de diversos níveis de imitação, de ajustamentos rítmicos e posturais, de gestos, do olhar, do choro, de sorrisos, de vocalizações e de outras formas de expressão, que envolveram o parceiro e que tiveram efeito em suas (re)ações. Discutem-se hipóteses sobre o papel das interregulações na constituição da linguagem da criança. A construção de ações cooperativas coordenadas, na faixa etária analisada, baseou-se em estratégias imitativas, sendo o espaço da brincadeira, construído na interação de criança-educadora e, principalmente, criança-criança, um propiciador de habilidades comunicativas importantes para a ontogênese infantil. Evidenciou-se que as estratégias imitativas não-verbais foram utilizadas pelas crianças para comunicar ao parceiro sua intenção de brincar com ele e compartilhar significados da brincadeira. Isso confirma estudos realizados que situam a imitação como um recurso comunicativo não verbal bastante eficaz para as crianças que ainda não possuem linguagem oral desenvolvida. Evidenciou-se que as brincadeiras coordenadas se constituem num processo de interação social que instiga uma dinâmica de relacionamento entre os pares em que as ações imitativas emergentes desses jogos possibilitam à criança compartilhamento de significados e demonstram a possibilidade de sua compreensão sobre aquilo com o qual estava engajada. Os achados parecem confirmar alguns resultados da literatura que defendem a interação criança-criança como um espaço promotor do desenvolvimento que conduz à representação e à linguagem e fortalece a idéia de que a criança bem pequena é uma interlocutora ativa com os recursos de que dispõe e protagonista de seu desenvolvimento
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4495
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Educação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5363_1.pdf3,91 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.