Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4482
Título: Experiências contemporâneas de desenvolvimento - Políticas voltadas para inserção competitiva - Casos da China, Brasil e México
Autor(es): Fernanda Freire Gatto Padilha, Maria
Palavras-chave: Políticas Contemporâneas;Inserção competitiva;Desemprego
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Fernanda Freire Gatto Padilha, Maria; Policarpo Rodrigues Lima, João. Experiências contemporâneas de desenvolvimento - Políticas voltadas para inserção competitiva - Casos da China, Brasil e México. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: Este trabalho pretende analisar as políticas contemporâneas de inserção competitiva e seus impactos nas estruturas econômico-produtivas dos países em desenvolvimento. Tais políticas são guiadas pela mundialização, que traz consigo o aumento da concorrência e a necessidade de readequação dos modelos de produção. Pretende-se estudar tal mundialização sob o panorama das reformas realizadas pelos Estados Neoliberais e, no caso chinês, pelo modelo socialista de mercado. A reestruturação promovida pelas economias consolidou a diminuição da participação e intervenção dos diversos Estados, junto ao crescimento das demandas sociais e à incapacidade do mercado por si só de promover um desenvolvimento sustentável. Desta forma, têm-se movimentos de inserção no comércio internacional atrelados à exclusão social e ao aumento do desemprego e da concentração de renda nas economias nacionais. Tendo em vista o contexto mencionado, é aqui estabelecida a hipótese de que Estados desenvolvimentistas promovem inserções competitivas bem-sucedidas, apoiadas num desenvolvimento sustentável. A atuação política é voltada para inclusão social junto à geração de maior competitividade dos segmentos produtivos. Os resultados da pesquisa apontam o modelo chinês como representante de práticas desenvolvimentistas de Estado, promovendo uma inserção competitiva no direcionamento de um desenvolvimento sustentável. Os Estados do Brasil e do México são enquadrados na categoria dos intermediários, onde a atuação do Estado mostra-se incapaz de gerar inserção com desenvolvimento, e a competitividade é conseguida através do aumento da exclusão social e do baixo dinamismo de estruturas produtivas. Os Estados intermediários possuem menor autonomia se comparados aos desenvolvimentistas e são capturados por grupos de interesse contrários a um processo de transformação do ambiente sócio-econômico. A submissão dos Estados aos interesses individuais é característica de práticas predatórias, onde há ausência de burocracia e existência de ineficiência nas atividades e decisões econômicas, impedindo o alcance de uma atuação política favorável ao desenvolvimento. Apesar de apresentar semelhanças com o Estado predatório, os modelos seguidos pelos Estados brasileiro e mexicano não podem ser enquadrados nesta categoria, dado que em certos períodos, como é mostrado no trabalho, os respectivos Estados conseguem implementarprogramas de maior envergadura, com alguns impactos sobre o PIB e outros indicadores econômicos
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4482
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Economia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo6088_1.pdf1,12 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.