Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4303
Título: A avaliação das aprendizagens na prática docente de professores de história de 5ª à 8ª séries do sistema estadual de ensino: concepções e práticas
Autor(es): FARIAS, Danielle Cristine Camelo
Palavras-chave: Avaliação das aprendizagens;Prática Docente;Prática Pedagógica
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Cristine Camelo Farias, Danielle; Batista Neto, José. A avaliação das aprendizagens na prática docente de professores de história de 5ª à 8ª séries do sistema estadual de ensino: concepções e práticas. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: O objetivo da pesquisa consiste em analisar as concepções de avaliação das aprendizagens e a prática avaliativa de professores de História de 5ª à 8ª séries do Sistema Estadual de Ensino de Pernambuco. O trabalho traz como aporte teórico as discussões sobre prática pedagógica, prática docente e avaliação das aprendizagens na perspectiva formativa-reguladora. O referencial teórico fundamenta a análise das informações coletadas a partir da análise documental, da observação da prática docente, enquanto procedimentos, e a entrevista e o memorial como instrumentos de coleta. Utilizou-se como abordagem metodológica a pesquisa qualitativa que teve como campo empírico, três escolas da Gerência Regional de Ensino Sul (GRE Sul). A pesquisa contou com a participação de três sujeitos que atenderam aos nossos critérios de seleção: ser professor/a das séries finais do Ensino Fundamental, independente do vínculo empregatício, graduado/a em História e que estivessem exercendo o magistério dessa disciplina. A análise e apresentação dos dados fundamentaram-se na perspectiva de análise de conteúdo de Bardin. Os resultados foram categorizados por temas. Primeiramente, tratou-se das informações obtidas por meio do memorial. Essas informações foram compreendidas como hipóteses explicativas da prática avaliativa dos sujeitos da pesquisa. Diante disso, foram construídas as seguintes categorias: Críticas à vivência na Educação Básica; Relação teoria-prática; e Discurso dos docentes participantes sobre a sua prática avaliativa. As informações oriundas da entrevista e da observação foram categorizadas de acordo com os seguintes temas: Avaliação processual e somativa; avaliação como relação de poder; Instrumentos avaliativos e Análise do erro. Diante disso, percebeu-se que a prática avaliativa dos professores esteve fundamentada na concepção de que a avaliação das aprendizagens não é terminal e, nesse processo, o professor lançava mão de instrumentos avaliativos variados. Tal prática sofria forte influência do marco regulatório da Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco (Instrução nº 02/2002). O documento afirmava que a avaliação do desempenho escolar deveria estar centrada no processo de ensino-aprendizagem e seria implementada como um processo de natureza cumlativa, contínua, sistemática e flexível. Observou-se, também, que no caso da disciplina de História, a ressignificação do seu ensino avançava em ritmo mais acelerado e notável do que a ressignificação da prática avaliativa. Em muitas circunstâncias a avaliação era concebida, pelos docentes, como instrumento de controle, barganha e manutenção de hierarquias na relação professor-aluno. Esse contexto contribui, sobretudo, para reforças a idéia levantada pelos próprios docentes de que os avanços no marco teórico sobre avaliação não acompanham a realidade da sala de aula, podendo haver um hiato entre a teoria e a prática avaliativa
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4303
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Educação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3485_1.pdf629,37 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.