Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4255
Título: O patrimonialismo no Brasil : reflexos na formação e ação política das elites agro-exportadoras
Autor(es): Pereira da Silva, Leuzinete
Palavras-chave: Patrimonialismo;Formação Política das elites
Data do documento: 2004
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Pereira da Silva, Leuzinete; José de Arroxelas Galvão, Olímpio. O patrimonialismo no Brasil : reflexos na formação e ação política das elites agro-exportadoras. 2004. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.
Resumo: A herança do Patrimonialismo português na mentalidade política das elites agrárias do Império brasileiro e nas duas primeiras décadas da Primeira República, é analisada a partir do embasamento teórico da dominação em Max Weber. Essa herança é identificada na configuração do Estado luso-brasileiro. Indica-se a forma pela qual houve a introjeção desse tipo de organização política no Brasil, assim como alguns traços e conseqüências da mentalidade patrimonialística à época e suas implicações para o anacronismo do desenvolvimento nacional. Destaca-se que as elites agrárias, comprometidas tão somente com a preservação do seu poder e riqueza, não seguiram o percurso histórico que conduzia grande parte das nações à época: a industrialização, visto que seus interesses prendiam-se à economia agro-exportadora, centrada em vários ciclos de exportação de produtos primários (açúcar, algodão, cacau, fumo, metais preciosos etc), desviando-se, pois, da linha de diversificação de bens primários, proposta pela Teoria da Base de Exportações, como alternativa para um desenvolvimento sustentado, como sinaliza NORTH (1955). Ao longo do desenvolvimento desses ciclos, não ocorreu a diversificação da economia e o aparecimento de outros setores com dinâmica própria, que seria um caminho para a industrialização, atividade que orientava o desenvolvimento de muitas nações, o que, historicamente, parecia indicar ser este o viés para a inserção na modernidade. A sociedade brasileira somente ingressa na Era Industrial em décadas mais recentes, posterior a 1930 e, principalmente, após a Segunda Guerra Mundial embora tal percurso não tenha trazido o desenvolvimento esperado. Assinala-se, então, que os produtos de exportação constituíram-se na base econômica da sociedade patrimonial e que, como as exportações não geraram um processo de diversificação, a economia brasileira conviveu com o atraso e a preservação de valores do passado. Em síntese, pode-se indicar como hipótese do presente trabalho, que a formação política das elites agrárias que dominaram o Brasil, do Império ao início da Primeira República, com fortes traços da herança patrimonialista, contribuiu para que estes segmentos elitistas adotassem atitudes políticas contrárias à modernização do país, o que sugere que o tipo de sociedade que foi criada, historicamente, exerceu papel determinante nos padrões de desenvolvimento econômico do Brasil
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4255
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Economia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo5889_1.pdf571,09 kBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.