Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/394
Title:  A transição é a vida inteira : uma etnografia sobre os sentidos e a assunção da adultez
Authors: Müller, Elaine
Keywords: Curso da Vida; Adultez; Juventude; Transição
Issue Date: 31-Jan-2008
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Müller, Elaine; Chambliss Hoffnagel, Judith. A transição é a vida inteira : uma etnografia sobre os sentidos e a assunção da adultez. 2008. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Abstract: Esta tese é fruto de uma pesquisa feita entre 2004 e 2008, na cidade de Recife, Pernambuco, Brasil. Tomando um recorte do curso da vida, o da transição da juventude à adultez, busca-se trazer algumas questões que contribuam para uma Antropologia das Idades da Vida. Uma primeira questão é a de que se as idades são relacionais, como é as sumido teoricamente, este aspecto está presente no trabalho de campo e precisa ser trabalhado metodologicamente. Assim, a pesquisa não deixa de revelar de que forma a condição etária da autora esteve presente tanto no trabalho de campo, como nas leituras feitas dos dados e da bibliografia relativa ao tema. A partir das entrevistas feitas com jovens com experiências diversas caminho à assunção da adultez e com seus pais, foi possível perceber que a idade assume diversos significados, extrapolando o sentido de fase ou estágio do curso da vida que um olhar cronologizador poderia tentar imprimir. Também os sentidos dados à juventude, à adultez e à vida são diversos e mudam conforme os sujeitos se deslocam em seu curso. A tentativa de entendimento da transição à adultez, desta forma, acaba por ser direcionada não apenas através de eventos como a saída da casa dos pais, o casamento ou a inserção profissional (que tanto têm sentidos diferentes para os indivíduos , como lhes colocam dilemas de ordem muito diversa), mas também pelas expectativas dos sujeitos quanto a suas trajetórias e a sua própria visão sobre elas. Ao invés de se fazer classificações destas experiências, optou-se por privilegiar as narrativas a seu respeito, t razendo a riqueza colocada pela diversidade. Algumas noções comumente articuladas nos estudos sobre a juventude e a adultez, como responsabilidade e maturidade, foram pensadas a partir do que os interlocutores/as entendiam sobre elas o que lhes revelou várias dimensões, como a idéia de que responsabilidade é algo que se tem a vida inteira, ou que a maturidade é diferente da adultez, por ser aquilo que se aprende a partir das experiências. Quanto à noção de transição, embora pareça pertinente para se pensar o momento crucial da vida dos/as jovens entrevistados, que se sentem em crise ou numa encruzilhada , percebeu-se que a vida inteira é percebida como uma transição, na qual a mudança e os novos desafios não são privilégio de nenhuma idade
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/394
Appears in Collections:Teses de Doutorado - Antropologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo1023_1.pdf2.61 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.