Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3907
Título: Avaliação de risco no negócio de transmissão de Energia Elétrica : uma proposta de equivalência entre debêntures e ações ordinárias
Autor(es): ARAUJO, Juliana Vale
Palavras-chave: Ações; Debêntures; Risco; Modelos arch / garch; Método de simulação de Monte Carlo; Índice de sharpe
Data do documento: 31-Jan-2008
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Vale Araujo, Juliana; Lamartine Távora Júnior, José. Avaliação de risco no negócio de transmissão de Energia Elétrica : uma proposta de equivalência entre debêntures e ações ordinárias. 2008. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2008.
Resumo: Os empreendimentos de transmissão de energia elétrica são afetados significativamente pelo financiamento que contratam, pois a repercussão do serviço da dívida afeta o lucro da empresa e sua disponibilidade de caixa. Atualmente, a fonte de recurso mais barata existente no mercado são os empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de desenvolvimento Econômico e Social BNDES. Ocorre que as empresas dos setor elétrico têm recorrido bastante a fonte de recursos provenientes de Valores Mobiliários, como as debêntures. A grande vantagem das debêntures é sua flexibilidade no que tange às características como prazo de amortização, taxa de juros, periodicidade da amortização, sistema de amotização, etc, que são escolhidas pelo emissor deste título. A taxa de juros é um importante fator, visto que impacta diretamente o resultado do projeto e sua disponibilidade de caixa. Contudo, qual seria a taxa de juros ideal, considerando o risco do debenturista? Neste estudo, é calculado o risco do acionista e do debenturista, utilizando-se Modelos de Volatilidade Condicional da família ARCH e o Método de Simulação de Monte Carlo. O risco do acionista é comparado à seu retorno, através da utilização do Índice de Sharpe (IS). O valor do IS obtido para o acionista foi aplicado às debêntures, admitindo-se o pressuposto que o Índice de Sharpe do acionista deve ser igual ao do debenturista (a relação retorno versus risco deve ser equivalente para os dois títulos). Foi atribuída às debêntures uma taxa de juros de 7% a.a. + IPCA e observou-se que para o IS das debêntures ser equivalente ao IS das ações, a remunação do primeiro deveria ser 4,29% a.a. + IPCA, uma vez que seu risco (calculado neste trabalho) é inferior ao do acionista
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3907
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Economia

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo3573_1.pdf2,13 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.