Skip navigation
Please use this identifier to cite or link to this item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3787
Title: As formas de governo da juventude na contemporaneidade: um estudo sobre a Rede Coque Vive
Authors: AMADOR, Pedro Augusto de Queiroz
Keywords: Redes sociais;Políticas públicas;Educação não-formal;Sociedade civil;Juventude
Issue Date: 31-Jan-2010
Publisher: Universidade Federal de Pernambuco
Citation: Augusto de Queiroz Amador, Pedro; Simão de Freitas, Alexandre. As formas de governo da juventude na contemporaneidade: um estudo sobre a Rede Coque Vive . 2010. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.
Abstract: Esta pesquisa propõe-se a estudar a dinâmica formativa da Rede Coque Vive . Trata-se de uma rede social constituída por duas organizações sociais (o NEIMFA e o MABI) e um grupo extensionista da Universidade Federal de Pernambuco. A investigação questionou de que forma os atores da Rede lidam com os desafios da formação dos jovens em um contexto de estigmatização social. O estudo insere-se, portanto, na perspectiva de trabalhos que tratam da problemática da juventude desde as formas de articulação e intervenção da sociedade civil. Mais especificamente, procuramos apreender como o tema da educação e das políticas de juventude vêm sendo apreendidos pelas redes organizativas da sociedade civil, diferentemente das pesquisas que abordam essas políticas pela ótica do Estado. A ideia mais geral consistiu em refletir sobre os desafios inerentes ao governo das juventudes desde a ótica das redes sociais, tendo em vista sua importância na criação de esferas públicas locais dotadas de autonomia política e geradora de novas formas de solidariedade. O paradigma de redes sociais foi tomado como fundamento na medida em que evidencia uma visão contextual na qual o outro é apreendido fora das cenas de violência que temos presenciado nos últimos tempos. A pesquisa considerou a experiência social dos sujeitos envolvidos na Rede Coque Vive , gestores e formadores, verificando a partir das suas relações de vinculação como foram construídas respostas concretas para o enfrentamento dos problemas juvenis nas comunidades periféricas do Recife. Do ponto de vista metodológico, o estudo utilizou a Metodologia de Análise das Redes Sociais (MARES). Nesse sentido, tenta apontar a urgência de se buscar a realização de políticas públicas emergidas da coletividade, com ênfase numa vida mais solidária diante do capitalismo atual. O discurso dos gestores e formadores da Rede Coque Vive apresentou um conjunto de categorias que, no conjunto, sinaliza uma nova cartografia para repensar as relações políticas e pedagógicas, explicitando, por essa via, outras possibilidades de relação geradoras de saberes e práticas educativas junto aos segmentos juvenis. Com isso, indica-se um processo de mudança social que se manifesta no âmbito micropolítico, em que as hierarquias entre os sujeitos são diluídas e se travam relações de pertencimento que permitem criar novas formas de vida diferente daquelas impostas pelos modelos hegemônicos. A análise da Rede Coque Vive evidencia, sem dúvidas, uma governamentalidade pedagógica sui generis: a educomunicação como formação humana. A educação e a comunicação social, pensadas no registro da ética e do cuidado de si, apreendidas como uma disposição de manter ou modificar a si mesmo enquanto sujeito de suas próprias ações e realizações. Desse modo, os atores da Rede nos mostram que é possível encontrar na cultura das periferias processos alternativos de formação do sujeito humano
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3787
Appears in Collections:Dissertações de Mestrado - Educação

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
arquivo147_1.pdf1.87 MBAdobe PDFView/Open


This item is protected by original copyright



Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.