Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3639
Título: Atividade antimicobacteriana, citotoxicidade e interação com macrófagos J774 de lipossomas contendo ácido úsnico
Autor(es): Pontes de Siqueira Moura, Marigilson
Palavras-chave: Ácido úsnico;Lipossomas;Citotoxicidade;Atividade antimicobacteriana;Interação celular
Data do documento: 2006
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Pontes de Siqueira Moura, Marigilson; Stela Santos Magalhães, Nereide. Atividade antimicobacteriana, citotoxicidade e interação com macrófagos J774 de lipossomas contendo ácido úsnico. 2006. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.
Resumo: O ácido úsnico (AU) [2,6-diacetil-7,9-dihidroxi-8,9b-dimetil-1,3-(2H,9H)-dibenzofurano] é um composto derivado do metabolismo secundário de liquens e conhecido pela sua atividade antimicrobiana contra bactérias gram-positivas e micobactérias. A tuberculose pulmonar é caracterizada pelo envolvimento de macrófagos contendo no seu interior elevada quantidade de Mycobacterium tuberculosis. Os lipossomas têm sido usados como carreadores coloidais de fármacos direcionados às células. Há uma necessidade urgente de novos compostos para o tratamento de infecções causadas por micobactérias, uma vez que, nenhum novo antibiótico tem sido desenvolvido desde a década de 70. O objetivo desse estudo foi avaliar a atividade antimicrobiana in vitro do AU encapsulado em liposomas contra o M. tuberculosis e investigar sua interação com macrófagos. Os lipossomas foram preparados usando a técnica de hidratação do filme lipídico com subseqüente sonicação. A concentração inibitória mínima (CIM) e a concentração bactericida mínima (CBM) contra o M. tuberculosis H37Rv foram determinadas segundo o ensaio de microdiluição utilizando Alamar blue. A citotoxicidade do AU foi avaliada para macrófagos J774 e a viabilidade celular foi detectada pelo ensaio padrão de MTT. O estudo de interação celular foi realizado com macrófagos J774 usando a espectroscopia de fluorescência. Os valores de CIM e CBM para o AU livre foram 6,5 e 32 &#956;g/ml, respectivamente. Por outro lado, AU lipossomal exibiu uma CIM de 5,85 &#956;g/ml e CBM de 16 &#956;g/ml. A concentração requerida para inibir 50% da proliferação celular (CI50) foram 22,5 e 12,5 &#956;g/ml para o AU livre e encapsulado, respectivamente. Um incremento do conteúdo intracelular de lipossomas contendo AU foi verificado pela maior emissão de fluorescência detectada (21,57 x 104 c.p.s) em comparação a do AU livre (9,54 x 104 c.p.s). Além disso, a formulação lipossomal proveu uma quantidade intracelular de AU praticamente invariável durante longo período de tempo (30 h, p < 0,05). Estes resultados indicaram uma forte interação entre lipossomas e macrófagos J774, facilitando a penetração do AU nessas células de defesa, como também, considerável aumento de sua atividade contra o M. tuberculosis
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3639
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Ciências Farmacêuticas

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo6456_1.pdf1,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.