Skip navigation
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3570
Título: Da transparência diáfana à opacidade densa:imagens e imaginários da Coleção FranciscoRodrigues de Fotografia
Autor(es): Targino e Souza, Camila
Palavras-chave: Fotografia oitocentista; Brasil imperial; Análise do discurso; Ideologia
Data do documento: 2007
Editor: Universidade Federal de Pernambuco
Citação: Targino e Souza, Camila; Teixeira Vieira de Melo, Cristina. Da transparência diáfana à opacidade densa:imagens e imaginários da Coleção FranciscoRodrigues de Fotografia. 2007. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.
Resumo: A partir do marco teórico da análise do discurso francesa (Althusser, Pêcheux, Foucault) analisamos um conjunto de fotografias da coleção Francisco Rodrigues, pertencente ao acervo da Fundação Joaquim Nabuco. Com mais de 16 mil imagens, a Francisco Rodrigues ficou conhecida nacionalmente como uma coleção de senhores de engenhos e suas famílias. Após este estudo concluímos que a coleção possui a temática dos sobrados consideravelmente mais presente que a dos engenhos. Nossa indagação primeira foi analisar como os fotógrafos oitocentistas, ao utilizarem determinadas técnicas fotográficas, construíram a imagem do escravo em relação ao senhor de engenho e vice-versa? No geral, os fotógrafos, perpassados por formações imaginárias e ideológicas, representaram o negro de acordo com a ideologia do colonialismo. As amas negras foram submetidas a uma espécie de purificação do discurso da lascívia . O negro burguês foi representado por uma formação imaginária alheia à sua própria condição histórica, solapando da fotografia todo e qualquer elemento visual que retomasse a questão da escravidão. Já a figura do branco burguês, silenciando os discursos da miscigenação no Brasil, remete a uma formação imaginária cercada de elementos neoclássicos, em uma cena típica da França burguesa. Apesar da intenção de representar brancos e negros a partir do discurso racionalidade e da ordem , os conflitos não deixam de brotar nas imagens. Por fim, vale ressaltar que buscamos contar uma história da Francisco Rodrigues através das tecnologias que a compõem. Ou seja, priorizamos uma análise discursiva dos suportes nos quais foram impressas as imagens. Sobre este aspecto podemos atestar que a maioria esmagadora das imagens da coleção está no formato cartes-des-visites, impressas em papel salgado e albumina, tecnologias que com suas promessas de atestar com precisão as coisas no mundo, em consonância com a epistemologia do século XVIII, agradaram toda uma geração de senhores de sobrados do Brasil oitocentista. Por seu turno, a ambrotipia, em especial por retomar um discurso contra-iluminista, não teve uma grande aceitação dentro da coleção
URI: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/3570
Aparece na(s) coleção(ções):Dissertações de Mestrado - Comunicação

Arquivos deste item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
arquivo4780_1.pdf1,06 MBAdobe PDFVer/Abrir


Este arquivo é protegido por direitos autorais



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.